Siate completa 20 anos de atividades na região de PG

Ponta Grossa

14 de novembro de 2017 23:30

Stiven de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Bandidos fazem arrastão em loja no centro da cidade

Rapaz usa tesoura para assaltar panificadora

Homem cai de moto e morre atropelado em rodovia de PG

Unicesumar entrega novo campus com 39 cursos
Cade aprova a aquisição da Masisa pela Arauco
Aeroporto receberá investimentos de locadoras neste ano
Quatro vilas ficam sem água nesta quarta-feira
/
PUBLICIDADE

Nesta semana, uma gestante vítima de facadas, na região de Uvaranas, foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada ao Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HURCG). Apesar do ferimento, ela passa bem graças ao atendimento rápido fornecido pelo Sistema Integrado de Atendimento e Emergência (Siate). 

Casos como este são comuns na rotina do Siate, que há 20 anos atua em ocorrências onde há traumas e ferimentos de maior gravidade. A estrutura faz parte do Corpo de Bombeiros. Nesta quarta-feira (15), a corporação celebra o aniversário de 20 anos do serviço à comunidade de Ponta Grossa e região. 

De acordo com o Corpo de Bombeiros, 95 mil ocorrências foram registradas desde a instalação do Siate na cidade. Nestas, mais de 100 mil pessoas foram atendidas pelos socorristas. Ao longo dos anos, a estrutura ganhou protagonismo nos trabalhos dos bombeiros e, hoje, representa 70% dos atendimentos feitos pela corporação. 

Segundo o Tenente Mück, relações públicas do Corpo de Bombeiros, o Siate está interligado ao Samu e, além dos primeiros socorros, garante o atendimento médico no local da ocorrência nos casos mais graves. “Onde existe o Siate significa que o serviço pré-hospitalar prestado está interligado com o Samu. Isso garante a triagem, o apoio médico no local da ocorrência. Em cidades onde não tem o Siate, por exemplo, as nossas ambulâncias também prestam serviço pré-hospitalar, mas sem médicos. Esta é a principal diferença do Siate”, explica. 

Em Ponta Grossa, o Siate funciona 24 horas, com três ambulâncias equipadas para fazer o atendimento pré-hospitalar. Cada viatura opera com dois ou três socorristas, que se revezam em um esquema de 24 horas de trabalho e 48 horas de descanso. De acordo com o Corpo de Bombeiros, cerca de 30 militares se revezam para manter o serviço integrado em funcionado. Ao todo, 300 socorristas já passaram pelo Siate em 20 anos.

Preparados para emergências

Os cerca de 30 bombeiros que dão vida ao Serviço Integrado de Atendimento e Emergência (Siate) são especializados em atendimentos de urgência. “Todos os bombeiros passam por cursos de primeiros socorros, mas para atuar no Siate é feita uma especialização. Nossas equipes são extremamente preparadas para estas situações, para fazer os primeiros socorros e a triagem. Toda a parte pré-hospitalar é feita pelo Siate, junto com o Samu”, destaca o Tenente Mück.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização