Justiça marca primeira audiência do Caso Kennedy

Ponta Grossa

14 de novembro de 2017 19:08

Stiven de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Jovem morto foi recordista do vestibular da UEPG

Rangel sanciona política que incentiva participação de jovens na política

Prefeitura irá normalizar trânsito na Comendador Miró ainda hoje

Unicesumar inaugura hoje campus em PG
Fio em via pública provoca acidente no Nova Rússia
Acontece hoje em PG a exposição "Features”
'Planejamento' finaliza projetos de revitalização de ruas centrais
Motoboy morreu na Avenida Visconde de Mauá, ao ser fechado por um motorista embriagado. /Foto: Arquivo aRede
PUBLICIDADE

Nove meses depois do acidente que matou o motoboy Kennedy Simões, a Justiça inicia o julgamento do motorista João Maria Luz, de 62 anos, na próxima segunda-feira (20). A primeira audiência de instrução está marcada para às 16 horas, no Fórum de Ponta Grossa. 

João Maria foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP) no último dia 10 de outubro, pelo crime de homicídio culposo no trânsito e embriaguez ao volante. No dia 26 de fevereiro, o idoso teria fechado o motoboy na Avenida Visconde de Mauá, em Oficinas. Kennedy vinha em alta velocidade e, ao bater no veículo, se desequilibrou e bateu em uma árvore no canteiro central. 

Os bombeiros e o Samu chegaram a tentar fazer o socorro do jovem, de 21 anos, mas ele já estava morto quando os socorristas chegaram. Um dos profissionais do Samu, que dirigia a viatura, era o pai de Kennedy, Flávio Simões. Ele ficou em estado de choque ao encontrar o filho morto no asfalto. O caso gerou comoção em Ponta Grossa e, nos dias seguintes, motoboys fizeram passeatas pela cidade. 

João Maria estava embriagado no momento do acidente. O teste do bafômetro apontou 1,16 mg/l de álcool por litro de ar por litro de sangue, quando o limite é de 0,05 mg/l. O motorista foi detido e liberado após pagamento de fiança. 

Além do acusado, a Justiça também vai ouvir o pai da vítima na próxima segunda-feira, que testemunhou o caso. A advogada de Flávio Simões, Cristiane Beraldo, diz que tanto o inquérito policial quanto a denúncia apresentada pelo MP não deixam dúvidas sobre a culpabilidade do réu. "Ele deve ser condenado por homicídio culposo. O crime ficou comprovado no processo", afirma. 

A defesa do motorista alega que a embriaguez não foi determinante para que o acidente acontecesse. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização