Julgamento do ‘Caso Cíntia’ deve durar o dia todo

Ponta Grossa

14 de novembro de 2017 10:35

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Jovem morto foi recordista do vestibular da UEPG

Rangel sanciona política que incentiva participação de jovens na política

Prefeitura irá normalizar trânsito na Comendador Miró ainda hoje

Unicesumar inaugura hoje campus em PG
Fio em via pública provoca acidente no Nova Rússia
Acontece hoje em PG a exposição "Features”
'Planejamento' finaliza projetos de revitalização de ruas centrais
Spinardi é acusado pela morte da estudante Cíntia de Souza/Sérgio Duze
PUBLICIDADE

Paulo Leandro Spinardi está em júri popular nesta terça-feira acusado de matar Cíntia de Souza em 14 de janeiro de 2015

Começou na manhã desta terça-feira (14) o júri popular de Paulo Leandro Spinardi, acusado de matar a estudante Cíntia de Souza em janeiro de 2015. Ele se sentou no banco dos réus antes das 9h e a Justiça não tem previsão para o término do julgamento – a expectativa é que a sentença seja proferida apenas no início da noite, depois que defesa e acusação fizerem suas apresentações.

O réu é acusado de homicídio triplamente qualificado pelo Ministério Público do Paraná. Segundo a acusação, ele teria empurrado a jovem, na época ex-namorada, em uma fenda do Rio São Jorge. O crime teria motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. Spinardi também é acusado de ocultação de cadáver e fraude processual.

Segundo o advogado assistente de acusação, Fernando Madureira, depoimentos juntados ao inquérito policial confirmam, junto aos laudos da perícia, a autoria do crime. “(Spinardi) é um assassino dissimulado, que mentiu várias vezes no decorrer do processo, começando quando foi ouvido perante a autoridade policial, momento em que negou a autoria do crime”, afrima. “Esta versão foi desmentida pela mãe de Spinardi, que declarou na Delegacia que seu filho tinha lhe confessado que ‘ele teria empurrado Cíntia de um barranco e ela acabou caindo, numa das valas’”, alega.

A defesa do acusado diz que não há provas de que ele tenha assassinado e espera a absolvição do réu. O advogado Renato Tauille conta que o casal teve uma discussão próximo à fenda do São Jorge e que Cíntia teria caído ao tentar empurrar Spinardi. “A versão do Paulo é que eles tiveram uma discussão na fenda. Ela veio para cima dele e, quando ele foi se esquivar, ela caiu”, afirma. “O laudo da criminalística foi inconclusivo, apontando que a queda pode ter sido resultante de uma força emprega por terceira pessoa ou pela própria vítima”, comenta.

Pena pode passar de 20 anos

Para os assistentes de acusação do processo, Fernando Madureira e Ângelo Pilatti, Paulo Leandro Spinardi deve ser condenado a mais de 20 anos de prisão. Madureira afirma que a investigação, conduzida pela delegada Tânia Sviercoski, não deixou dúvidas sobre a autoria do crime. “A polícia realizou um excelente trabalho de investigação derrubando todos os álibis forjados pelo acusado. Desta forma, a atual versão apresentada pelo acusado de que a morte de Cíntia foi acidental não deve ser acolhida pelos jurados”, diz. Spinardi aguarda o julgamento preso.

O crime

No dia 14 de janeiro de 2015, Cíntia de Souza saiu de casa e não voltou mais. A família considerou a jovem estudante, de 22 anos, desaparecida e levou o caso à Polícia Civil. Após investigações, foi realizada uma busca no Rio São Jorge e, no dia 21 de janeiro, o corpo da jovem foi encontrado, em uma fenda na localidade de Água Fria.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização