Homem fica preso às ferragens após colisão em PG

Ponta Grossa

11 de novembro de 2017 11:50

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Jovem morto foi recordista do vestibular da UEPG

Rangel sanciona política que incentiva participação de jovens na política

Prefeitura irá normalizar trânsito na Comendador Miró ainda hoje

Unicesumar inaugura hoje campus em PG
Fio em via pública provoca acidente no Nova Rússia
Acontece hoje em PG a exposição "Features”
'Planejamento' finaliza projetos de revitalização de ruas centrais
PUBLICIDADE

O motorista de um Volkswagen Gol ficou preso às ferragens após a colisão com outro automóvel, uma Volkswagen Parati, na noite desta sexta-feira, em Ponta Grossa. O acidente ocorreu por volta das 21 horas, no cruzamento entre as ruas Padre Roberto Bonk e Chopim, no bairro Colônia Dona Luiza. Um dos motoristas teria furado a preferencial e ocasionado o acidente. Além do motorista do Gol, outras duas pessoas ficaram feridas, e foram levadas a hospitais no município.

O condutor do Gol, um homem de 51 anos, foi a vítima mais grave. Ele foi levado ao Hospital Bom Jesus, sem risco de morte. As outras duas vítimas foram uma mulher de 31 anos e uma criança de dez anos (mãe e filho). Eles foram levados para o Pronto Socorro Municipal, com ferimentos leves. Outras duas pessoas ficaram ilesas.

Com a colisão, um dos automóveis acertou o gradil de uma residência e invadiu no terreno, quase acertando a casa. O dono da casa atingida pelo acidente, Rodrigo, disse à reportagem aRede/COP que com a mudança na via, ficou mais perigoso, e que acidentes são frequentes. “Ocorrem de dois a três acidentes por semana, e pedimos o apoio do poder público, já fizemos até um abaixo-assinado, e pedimos para a Autarquia melhorar a situação”, disse, estimando que alguns motoristas passam no trecho até a 80 km/h. “E agora com o veículo invadindo a residência, com minha criança dormindo no quarto, foi o maior susto”, completa.

O morador pede que redutores de velocidade sejam instalados na via. Segundo ele, os vizinhos estão mobilizados, e caso nenhuma medida seja tomada, prometem realizar uma manifestação. “Se não for resolvido logo vamos tomar uma ação, fazer um protesto, talvez fechar a via, para que sejam melhoradas as condições”, admitiu, ressaltando que, se houver, será um protesto pacífico e sem qualquer tipo de ato de vandalismo.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização