Flanelinhas espancam agente do EstaR no Centro | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Flanelinhas espancam agente do EstaR no Centro

Ponta Grossa

20 de abril de 2017 17:21

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Rangel pede união a deputados para trincheira na BR-376

Diretores dos fundos de previdência de bancos públicos estarão em PG

Investimento no ‘Mercadão’ irá gerar mil vagas diretas em PG

Movimento LGBT lota sessão da Câmara em protesto
TRF derruba liminar que impedia enfermeiros de requisitar exames
Show de Pabllo Vittar marcará dia de combate ao preconceito em PG
Vereador emite nota sobre polêmica com Pabllo Vittar
Agente do EstaR foi agredido quando chamava a atenção de flanelinhas na rua Marechal Deodoro/Imagem (ilustrativa): Arquivo JM
PUBLICIDADE

Caso foi registrado por volta das 15h30 desta quinta-feira (20) na rua Marechal Deodoro na região central de Ponta Grossa

Um agente do EstaR (Estacionamento Regulamentado), conhecido também como 'Zona Azul', foi agredido por um grupo de flanelinhas na região central de Ponta Grossa. O caso foi registrado por volta das 15h30 desta quinta-feira na rua Marechal Deodoro e a situação foi confirmada pela assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG).

Segundo a assessoria, o servidor chamou a atenção de um grupo de flanelinhas que estacionou um Ford Verona em uma vaga do EstaR sem o uso do cartão. Os flanelinhas não gostaram da ‘cobrança’ do agente do EstaR e agrediram o servidor com um chute no rosto – equipes da Guarda Municipal e da Polícia Militar (PM) foram acionadas.

Os agressores acabaram presos e encaminhados para a 13ª Subdivisão Policial de Ponta Grossa (13ª SDP). Já o agente do EstaR também foi levado para a delegacia, prestou depoimento e nesta sexta-feira (21) fará o exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

Lei proíbe flanelinhas

Uma lei de autoria do vereador Valter José de Souza, o Valtão (PROS), sancionada em 2012 prevê que a atuação de flanelinhas na cidade é proibida. No entanto, mesmo após cinco anos da sanção, a medida é amplamente desrespeitada em várias ruas movimentadas do município. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização