aRede aRede aRede
aRede
Polícia Civil elucida crime contra professor de música

Ponta Grossa

20 de março de 2017 18:44

Daniel Petroski

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Investimentos em infraestrutura impulsionam industrialização em PG

PG abre 457 novas vagas de emprego no 1º trimestre

Contorno inicia atendimento 24h em posto de combustíveis

PM e Lions fazem homenagem a Tiradentes em praça pública
Vacinação deve atingir 88 mil pessoas em PG
Sem CNH, motorista capota carro na BR-376 em PG
Câmara retoma debate sobre mudança de lei do zoneamento
PUBLICIDADE

Na véspera de completar dois meses do caso, a Polícia Civil de Ponta Grossa, por meio do setor de Furtos e Roubos da 13ª Subdivisão Policial (SDP), elucidou a tentativa de latrocínio praticada contra o professor de música Renato Teixeira, de 38 anos de idade. A vítima foi encontrada no interior da casa onde vivia, em um conjunto residencial no bairro Nova Rússia. Teixeira estava com várias perfurações provocadas por arma branca – principalmente no tórax e nas costas-, além de ferimentos na região da cabeça. Ele foi socorrido e ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Casa de Misericórdia.

Denúncias anônimas foram fundamentais para o trabalho de investigação conduzido pelo delegado Fernando Jasinski. Um rapaz de 20 anos de idade foi preso preventivamente na manhã desta segunda-feira (20). Ele teria agido na presença de um menor de idade, na época com 17 anos. Hoje, o segundo envolvido já é maior de idade. “Mesmo assim, ele vai responder pela prática de ato infracional e não pela prática de crime. A princípio, ele deve seguir no Centro de Socioeducação (Cense)”, explicou o delegado responsável pela investigação, Fernando Jasinski. O primeiro envolvido vai responder por tentativa de latrocínio (com pena de 20 a 30 anos) e corrupção de menores (pena de um a quatro anos). “Ambos confessaram o crime e não apresentaram arrependimento”, reforçou Jasinski.

Na apuração dos fatos, foi desconstruída a hipótese de que Teixeira teria sido rendido pelos criminosos antes de chegar ao condomínio. “Os envolvidos afirmaram que foram convidados pela vítima para irem até a casa dele e que não havia uma amizade prévia entre eles. Durante essa visita, houve um desentendimento. Foi quando os dois usaram facas da cozinha para atingir o professor de música. O menor ainda relatou que deferiu vários chutes na cabeça de Teixeira”, detalhou o delegado. “Os dois acreditavam que teriam matado Teixeira. Para tentar despistar a polícia, eles levaram o carro, a televisão e o celular da vítima”, completou Jasinski. O veículo foi encontrado dois dias depois no bairro Chapada.

Adolescente já teria participação em homicídio

Segundo o delegado Fernando Jasinski, o menor já teria envolvimento em um homicídio ocorrido em 2015. “Ele teria participação na morte do padrasto em Ponta Grossa”, revelou. Jasinski afirma que ocorrências graves envolvendo jovens em Ponta Grossa estão se tornando cada vez mais frequentes, o que preocupa a polícia. “Desde o ano passado a maioria dos latrocínios que trabalhamos contam com a autoria ou participação de adolescentes. É difícil ter uma resposta para isso. Talvez a ciência por parte dos envolvidos de uma impunidade possa ser um dos fatores determinantes”, analisa.

Vítimas ficou com sequelas devido as agressões

O delegado Fernando Jasinski também relatou que laudos psicológicos comprovam que Renato Teixeira ficou com sequelas devido as agressões. “Em relação aos fatos ele enfrenta lapsos de memória”, explicou. Por conta disso, a vítima chegou a ser ouvida de maneira formal durante as investigações, contribuindo pouco para a elucidação do caso. “Isso dificultou bastante nosso trabalho”, afirmou Jasinski. Teixeira deixou o hospital e está sob os cuidados de familiares. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização