PG avalia utilizar pedreira como aterro sanitário | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
PG avalia utilizar pedreira como aterro sanitário

Ponta Grossa

17 de março de 2017 19:25

Rodrigo de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Rangel pede união a deputados para trincheira na BR-376

Diretores dos fundos de previdência de bancos públicos estarão em PG

Investimento no ‘Mercadão’ irá gerar mil vagas diretas em PG

Movimento LGBT lota sessão da Câmara em protesto
TRF derruba liminar que impedia enfermeiros de requisitar exames
Show de Pabllo Vittar marcará dia de combate ao preconceito em PG
Vereador emite nota sobre polêmica com Pabllo Vittar
/
PUBLICIDADE

Secretaria de Meio Ambiente estuda a utilização de espaço na Pedreira Boscardin para um novo aterro municipal. Expectativa é de utilização até o final de 2017.

Após inúmeras reclamações e algumas denúncias de irregularidades, o aterro do Botuquara deve, enfim, ser desativado em Ponta Grossa. Uma proposta da Secretaria Municipal de Meio Ambiente pretende encerrar as atividades no local e destinar o lixo para um espaço na Pedreira Boscardin, localizada na região do Bocaina. Durante a manhã de sexta-feira (17), vereadores acompanharam o secretário da pasta, Paulo Barros, em uma visita técnica ao local do novo aterro.

A proposta da Secretaria de Meio Ambiente é utilizar a pedreira como aterro sanitário. As tratativas para o início das atividades já começaram. De acordo com Barros, o consórcio responsável pelo empreendimento já entrou com um processo de licenciamento ambiental e recebeu recentemente a visita do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para a vistoria.

A proposta ainda é bem aceita por geógrafos e pesquisadores locais, já que a área tem características favoráveis para a implantação. Um deles é a formação rochosa da pedreira, chamada ‘ponta grossa’, que possui um índice de impermeabilidade maior que a formação ‘furnas’, encontrada no Botuquara. A área da pedreira ainda é distante de centros populacionais e de espaços de conservação, como a área de proteção ambiental (APA) da Escarpa Devoniana e o Parque Nacional dos Campos Gerais. Outra característica favorável, de acordo com o secretário, é a ausência de corpos hídricos nas proximidades – diferentemente do aterro atual.

“A mudança tem se mostrado viável – inclusive por profissionais – por conta das características do local. Além disso, o Botuquara se encontra atualmente em uma região de turismo e fragilidade ambiental”, explica o secretário.

Caso a mudança se confirme, a Prefeitura irá desativar o aterro do Botuquara e monitorar o espaço. “Estamos estudando um plano que encerraria as atividades fechando o espaço com terra e fazendo obras necessárias para a cobertura total do lixo. Na sequência a secretaria irá monitorar o local para verificar a quantidade de chorume que deve gerar”, descreve.

O aterro do Botuquara é utilizado pela Prefeitura de Ponta Grossa há quase 50 anos para o depósito de todo o lixo gerado pela população e pelo município. “Chegou a hora de irmos para um lugar melhor e mais viável”, avalia Barros.

Tema será discutido com a população

Segundo Paulo Barros, a mudança de espaço do aterro sanitário será amplamente discutida com a população e com os órgãos competentes. A Secretária de Meio Ambiente deve realizar audiência públicas sobre o tema, além de levar os membros do Conselho Municipal do Meio Ambiente (Comdema) para conhecer o espaço. “Vamos deixar o tema aberto à sociedade, deixando claro que essa é a melhor alternativa para o assunto. Nossa intenção é que a população participe e conheça, para que o caso não vire uma ‘caixa preta’”, diz Barros.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização