PF investiga golpe contra trabalhadores

Ponta Grossa

14 de março de 2017 11:59

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Briga entre parentes em PG acaba com um preso

Motorista bêbado capota na Souza Naves e é detido

Grande incêndio destrói casa e deixa casal desabrigado

Preço dos combustíveis deve cair até sexta
Construção de rotatórias em viaduto entra na reta final
PG cria grupo de análise das mudanças da Reforma Trabalhista
Shoppings e mercados abrem em horário especial nesta quarta-feira
PUBLICIDADE

Investigação é conduzida na Delegacia da PF em Ponta Grossa. Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Curitiba

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã dessa terça-feira (14) a operação Operação Avidya para apurar a prática de fraudes trabalhistas. A investigação é conduzida pelo delegado José Roberto Peres, da Delegacia da PF em Ponta Grossa, e apura um golpe que pode ter causado um prejuízo de mais de R$ 27 milhões a mais de 600 trabalhadores de Irati, município na região dos Campos Gerais.

De acordo com o delegado, o esquema envolvia dois escritórios de advocacia, um deles representava o sindicato dos trabalhadores e outra a empresa para quais os funcionários trabalhava. “O esquema era tramado entre esses dois escritórios e, de maneira geral, falsificavam o valor dos acordos entre trabalhadores e empresas, pagando apenas uma parte dos direitos trabalhistas”, contou José Roberto Peres.

As investigações começaram a partir da notícia pela Procuradoria Regional do Trabalho da 9ª Região em Curitiba da identificação do ajuizamento de 602 reclamações trabalhistas simuladas na Vara do Trabalho de Irati envolvendo uma empresa de logística e um sindicato dos trabalhadores em empresas ferroviárias. Os mandados de busca e apreensão foram concedidos pela Justiça Federal em Ponta Grossa e cumpridos em Curitiba.

“A investigação ainda está em curso, com esses mandados de busca apreensão esperamos conseguir mais provas desse esquema”, contou o delegado. Segundo a autoridade da Polícia Federal, os advogados suspeitos da fraude fechavam acordos na ordem dos R$ 50 mil, mas repassavam apenas R$ 4 a 5 mil para as vítimas lesadas. “O inquérito ainda não foi concluído, por isso não vamos divulgar o nome da empresa envolvida”, explicou José Roberto.

José Roberto explicou que a investigação chegou até a Delegacia da PF em Ponta Grossa por conta dos acordos fraudulentos terem sido homologados em Irati. A estimativa da Polícia Federal é que a prática ilícita tenha gerado um prejuízo de cerca de R$ 27 milhões aos mais de 600 trabalhadores vítimas do golpe.

Nomenclatura

O nome “Avidya”, dado à investigação policial, sintetiza a condição dos envolvidos nos fatos, pois, a palavra em sânscrito, antigo dialeto da Índia, significa ignorância, falta de discernimento, ou seja, incapacidade de compreender situações, de separar o certo do errado.  

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização