UPA adota poltronas para atendimentos de urgência

Ponta Grossa

11 de janeiro de 2017 18:30

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Pista do Aeroporto será reformada até março

Gaeco irá fortalecer investigações independentes

Convênio traz desconto na graduação a servidores

PG estuda a implementação de uma Central de Abastecimento
População já pode votar sobre futuro da Münchenfest
Câmara de PG tem pauta intensa na reta final do ano
Câmara aprova proibição contra queimadas em PG
/Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Pacientes classificados como muita urgência serão orientados pelo enfermeiro para aguardarem atendimento nos assentos amarelos. 

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e Pronto Atendimento Infantil (PAI) do Santa Paula adotou poltronas de cor amarela que serão reservadas para pacientes classificados com casos de muita urgência, ou seja, aqueles mais graves e que, por isso, têm prioridade de atendimento.

Com a instalação das novas poltronas, os pacientes classificados como muita urgência serão orientados pelo enfermeiro para aguardarem atendimento nos assentos amarelos. Como esses pacientes devem ser atendidos em até uma hora, fica mais fácil para médicos e enfermeiros identificá-los e evitar que esse prazo seja ultrapassado.

Neste primeiro momento a novidade será implantada no atendimento adulto, mas em breve deverá valer também para os atendimentos pediátricos. Segundo o diretor clínico da UPA, Dr Audie Nathaniel Momm, essa medida traz mais segurança para o paciente, garantindo atendimento prioritário àqueles que precisam.

Desde sua abertura, há mais de dois anos, a UPA trabalha com o sistema de classificação de risco, em que os pacientes são avaliados por um enfermeiro logo que chegam à Unidade. Com base em critérios clínicos, os pacientes são classificados como casos de emergência (que necessitam de atendimento imediato, pois correm risco imediato de morte); muita urgência (que devem ser atendidos em até uma hora, pois o estado de saúde pode se agravar); pouca urgência (que podem aguardar até duas horas, pois não correm risco de morte e têm baixo risco de agravos à saúde) e, por último, os casos de não urgência (que podem aguardar até 4 horas ou até mesmo serem encaminhados para uma Unidade Básica de Saúde).

Informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização