Taxistas preparam ações para tentar barrar Uber

Ponta Grossa

11 de janeiro de 2017 14:56

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Adolescente diz à PM que furtou moto para ‘cobrar dívida’

Polícia Ambiental recolhe cágado em Uvaranas

Condutor embriagado é detido ao dirigir carro sem uma roda

Rapaz é baleado por bandido durante assalto em rodovia
Associação pede doação de sangue para vítima de assalto
Menina de PG, fã de garis, recebe surpresa em visita
Com 16 anos, ponta-grossense tira maior nota do PSS
Menom afirma que concorrência do Uber é desleal/Imagem: DANILO WIEDERMANN
PUBLICIDADE

Sindicato dos Taxistas autônomos de Ponta Grossa busca apoio do prefeito Marcelo Rangel (PPS) e de vereadores para barrar o serviço

Com a instalação da empresa Uber em Ponta Grossa tomando forma e com expectativa para acontecer ainda em fevereiro, o Sindicato dos Taxistas Autônomos de Ponta Grossa reagiu e promete ações para barrar o serviço. De acordo com o vice-presidente do Sindicato, José Carlos Menon, os taxistas pretendem se reunir com o prefeito Marcelo Rangel (PPS) nos próximos dias para consulta-lo sobre a situação e, além disso, já buscam apoio de um promotor de Justiça do município na tentativa de brecar a chegada do serviço ao município.

Segundo Menon, a concorrência do Uber é desleal do ponto de vista financeiro. Taxista há mais de 30 anos, Menon lembra que os profissionais do setor tem que passar por diversos cursos, além dos pagamentos de impostos e taxas cobrados pela Prefeitura e pela Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT). “Enquanto isso o motorista da Uber só paga pelo aplicativo e roda tranquilamente pela cidade”, criticou Menon.

Caso o prefeito não atenda a demanda dos taxistas, Menon acredita que o próximo passo seja tentar um mandado de segurança na Justiça para barrar o serviço e depois pressionar os vereadores para uma lei que barre a atividade. “O Uber é ilegal, acaba com o mercado de trabalho, temos mais de 500 pessoas que vivem do táxi em Ponta Grossa e caso o serviço chegue, boa parte delas não vai ter mais sustento”, dispara o vice-presidente.

Qualificação

Menon defende que no caso dos taxistas, o cliente tem a disposição profissionais qualificados e, caso não aprove o serviço, tem também para quem reclamar. No caso da Uber, aponta Menon, se o cliente não gostar no serviço não há para quem reclamar. “Além disso, a maior parte do dinheiro arrecadado com o aplicativo da Uber vai para os Estados Unidos, não fica no Brasil”, criticou.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização