Médico é acusado de hostilizar mãe com criança | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Médico é acusado de hostilizar mãe com criança

Ponta Grossa

26 de fevereiro de 2014 08:15

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Polícia Civil esclarece morte de coveiro em PG

Rudolf discute saúde pública com Conselho de Psicologia

PG terá palestra e workshop sobre técnicas psicoenergéticas

Lei garante ciclovias e ciclofaixas em vias públicas de PG
Pauliki oficializa entrega de quase R$ 400 mil em recursos
‘Pilchado’, Florenal ressalta “orgulho gaúcho” na Câmara
PM encontra carro roubado em pátio de revenda em Uvaranas
PUBLICIDADE

Um médico teve um momento de descontrole no Hospital da Criança, no bairro Estrela, em Ponta Grossa, na madrugada de hoje (26). Ele é acusado por mães de crianças que procuravam atendimento no hospital por hostilidade. Segundo testemunhas e supostas vítimas, o médico, identificado como Marcelo Sader, que trabalha como plantonista clínico geral no hospital, mas é especializado em neurologia,  gritou e chegou a empurrar mães com filhos no colo. O médico está sendo procurado para dar sua versão dos fatos à nossa reportagem.

Era pouco depois da meia-noite, quando, segundo informações, algumas mães não gostaram da conduta clínica do médico e o questionaram. Sader não teria gostado e começou a gritar com as mulheres. Segundo as vítimas, o médico estava se negando a atender seus filhos, dizendo que eles estavam saudáveis. Em um dado momento, o médico teria tentado expulsar uma das mulheres do ambulatório com empurrões. Mesmo a mulher carregando uma criança no colo.

A confusão só diminuiu quando a Polícia Militar foi chamada. O médico, assim com duas denunciantes foram convidados pela PM para explicar os acontecimentos em juízo. Foi lavrado um boletim de ocorrência. A direção do hospital ainda não se pronunciou sobre o fato.

Marcelo Sader foi ouvido pela reportagem do Jornal da Manhã e deu sua versão dos fatos. Ele disse que Lorene queria confusão a todo custo e "por diversas vezes, eu tentei contornar a situação, mas ela queria confusão. Ela utilizou palavras de baixo calão. Eu estou ali como um funcionário público e ela me desacatou. No calor do momento eu ergui a voz e pedi para que ela saísse do hospital, porque, naquele momento, eu era a autoridade ali", declarou.

Ele esclarece ainda que a criança já tinha passado por uma avaliação anterior e que o prontuário apontava quadro estável e sem febre, e os exames não apresentaram problemas. "Eu não encostei a mão em ninguém, não houve agressão", frisa. Sader ainda desmente a Prefeitura de Ponta Grossa e diz que foi ele quem pediu o desligamento do hospital. "Fui eu quem pediu o desligamento por falta de condições de trabalho e porque a Prefeitura de Ponta Grossa não honra seus contratos", completa.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização