Paquistanesa envenena marido e mata outros 12 por engano

Insana

31 de outubro de 2017 08:55

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Médico assume ter gravado iniciais em fígado de pacientes

Convite de formatura ‘sincero’ bomba na internet

Blogueiro filma a própria morte ao cair de prédio de 62 andares

Gato vira-lata vira suspeito de tentativa de homicídio
Bombeiros libertam youtuber que cimentou a própria cabeça
Fumaça da fábrica de Viagra causa ereções em moradores
Patinadora é suspeita de mandar quebrar a perna de rival
Lassi, popular bebida local, estava envenenada Foto: NARINDER NANU / AFP/Da Redação
PUBLICIDADE

A jovem, no entanto, não contava que o marido fosse despejar o leite em uma jarra, onde 27 pessoas beberam o líquido

Vítima de um casamento forçado, uma paquistanesa foi detida e acusada de matar 13 pessoas com leite envenenado, que ela havia preparado para matar o marido. O chefe da polícia local, Owais Ahmad, informou que Asiya Bibi admitiu ter colocado o veneno em um copo de leite, imaginando que só o companheiro beberia.

A jovem, no entanto, não contava que o marido fosse despejar o leite em uma jarra de lassi, popular bebida do Sul da Ásia à base de iogurte. Vinte e sete pessoas se serviram do líquido e 13 morreram após bebê-lo, incluindo o marido de Asiya.

Os quatorze sobreviventes foram hospitalizados, segundo Ahmad. Asiya havia se casado, contra a sua vontade, em setembro, na localidade de Valvati, província de Punjab.

"A polícia prendeu Asiya Bibi, um homem e sua tia, por cumplicidade, e os acusou de assassinato", afirmou o chefe de polícia.

Segndo Ahmad, o homem detido seria amante de Asiya e a tia seria o cérebro do assassinato.

Os casamentos forçados, em particular de menores de idade, são comuns no Paquistão, sobretudo nas províncias pobres e rurais do país, nas quais centenas de mulheres ainda são vítimas a cada ano de assassinatos pela honra.

Informações Extra

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização