Homem vive 40 anos com um brinquedo no pulmão sem saber | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Homem vive 40 anos com um brinquedo no pulmão sem saber

Insana

02 de outubro de 2017 08:42

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Mulher morre ao colocar cabeça fora do carro e bater em placa

‘Hot Wheels’ BMW M3 vira Uber em Curitiba

Homem tem deformação no crânio após uso de energético

Polícia de Dubai testa 'moto voadora'
Modelo morre ao fazer strip-tease com carro em movimento
No Peru, homem cai do 18º andar e sobrevive
Australiana pega tubarão nos braços para devolvê-lo ao mar
Então criança, ele aspirou a peça, de cerca de 1 centímetro, por acidente./Foto: Reprodução /
PUBLICIDADE

A equipe suspeitava de que ele tivesse um tumor

O caso de um homem de 47 anos que procurou uma clínica de doenças respiratórias em Preston, no norte do Reino Unido, após passar mais de um ano com tosse surpreendeu os médicos.

A equipe suspeitava de que ele tivesse um tumor - de acordo com o jornal britânico The Guardian, o paciente era fumante e havia tido uma pneumonia recentemente. Mas os exames mostraram que havia algo preso em seu pulmão.

Quando fizeram um exame adicional, os médicos descobriram que se tratava de um minicone de trânsito do brinquedo Playmobil, que ele ganhou de presente em seu sétimo aniversário.

Então criança, ele aspirou a peça, de cerca de 1 centímetro, por acidente. O objeto permaneceu em seu pulmão por 40 anos.

Os médicos extraíram a miniatura usando uma técnica usada em biópsias.

Sem desconforto

Segundo relatório da publicação científica British Medical Journal, publicado na internet, o paciente disse aos médicos que "frequentemente brincava e até aspirava (inalava) peças do brinquedo na infância".

O homem não apresentou nenhum sintoma de efeito nocivo por décadas, informaram os especialistas, até que uma tosse persistente o levasse a procurar atendimento médico.

Como ele era muito jovem quando inalou o minicone de trânsito, explica o relatório, suas vias respiratórias foram capazes de se moldar e adaptar à presença do corpo estranho.

Não é incomum que crianças ingiram ou aspirem brinquedos pequenos, mas "um caso em que os sintomas apareçam tanto tempo depois da aspiração inicial é inédito", acrescenta o texto.

Quatro meses após a remoção da peça, a tosse do paciente quase desapareceu.

Informações MSN Notícias 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização