Em performance artística, criança interage com homem nu

Insana

29 de setembro de 2017 12:11

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Blogueiro filma a própria morte ao cair de prédio de 62 andares

Gato vira-lata vira suspeito de tentativa de homicídio

Bombeiros libertam youtuber que cimentou a própria cabeça

Fumaça da fábrica de Viagra causa ereções em moradores
Patinadora é suspeita de mandar quebrar a perna de rival
Exame revela idade de osso que seria do 'Papai Noel'
Homem recebe transplante de rosto
/
PUBLICIDADE

Vídeo causou revolta nas redes sociais com centenas de comentários sobre ‘incentivo à pedofilia’; museu destaca ‘deturpação do contexto’

Um vídeo divulgado nas redes sociais de uma performance artística gerou revolta e debates sobre o que pode ser considerado limite para a arte. Aconteceu na última terça-feira durante o 35º Panorama da Arte Brasileira do Museu da Arte Moderna (MAM), em São Paulo. O artista Wagner Schwartz se apresentou totalmente sem roupa e, durante a exibição, uma criança interagiu com o artista.

Nas imagens, a menina aparenta ter entre três e quatro anos de idade e aparece sendo incentivada a tocar nas pernas do artista, que está deitado de barriga para cima e com o órgão genital à mostra. A performance é intitulada La Bête, em que Schwartz simular ser um dos ‘Bichos’, de Lygia Clark – esculturas feitas de alumínio que podem ser manuseadas pelo público.

No vídeo, que não será publicado no portal em respeito às normas do Estatuto da Criança e do Adolescente, a menina aparece acompanhada de uma mulher que, segundo o MAM, é sua mãe. Em nota, o Museu diz que há ‘deturpação do contexto’ e refuta as acusações de pedofilia. “A sala estava sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez do artista. O trabalho não tem conteúdo erótico ou erotizante e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, sobre a manipulação de objetos articuláveis. As acusações de inadequação são descabidas e guardam conexão com a cultura de ódio e intimidação à liberdade de expressão que rapidamente se espalha pelo país e nas redes sociais”. “As insinuações de pedofilia são resultado de deturpação do contexto e significado da obra”, destaca nota encaminhada à imprensa.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização