Em performance artística, criança interage com homem nu

Insana

29 de setembro de 2017 12:11

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Adolescente "bota" dois ovos e intriga médicos na Indonésia

Desconfiada, indiana corta e ‘descarta’ genital do marido

Corpo de mergulhador incha inexplicavelmente

Mulher é flagrada secando calcinha na ventilação de avião
Avião faz pouso de emergência após passageiro soltar gases
Após coceira, mulher descobre 14 vermes em seu olho
Mulher rasga genital do noivo com aliança após traição
/
PUBLICIDADE

Vídeo causou revolta nas redes sociais com centenas de comentários sobre ‘incentivo à pedofilia’; museu destaca ‘deturpação do contexto’

Um vídeo divulgado nas redes sociais de uma performance artística gerou revolta e debates sobre o que pode ser considerado limite para a arte. Aconteceu na última terça-feira durante o 35º Panorama da Arte Brasileira do Museu da Arte Moderna (MAM), em São Paulo. O artista Wagner Schwartz se apresentou totalmente sem roupa e, durante a exibição, uma criança interagiu com o artista.

Nas imagens, a menina aparenta ter entre três e quatro anos de idade e aparece sendo incentivada a tocar nas pernas do artista, que está deitado de barriga para cima e com o órgão genital à mostra. A performance é intitulada La Bête, em que Schwartz simular ser um dos ‘Bichos’, de Lygia Clark – esculturas feitas de alumínio que podem ser manuseadas pelo público.

No vídeo, que não será publicado no portal em respeito às normas do Estatuto da Criança e do Adolescente, a menina aparece acompanhada de uma mulher que, segundo o MAM, é sua mãe. Em nota, o Museu diz que há ‘deturpação do contexto’ e refuta as acusações de pedofilia. “A sala estava sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez do artista. O trabalho não tem conteúdo erótico ou erotizante e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, sobre a manipulação de objetos articuláveis. As acusações de inadequação são descabidas e guardam conexão com a cultura de ódio e intimidação à liberdade de expressão que rapidamente se espalha pelo país e nas redes sociais”. “As insinuações de pedofilia são resultado de deturpação do contexto e significado da obra”, destaca nota encaminhada à imprensa.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização