Bolo de 106 anos é encontrado na Antártida em ótimo estado

Insana

15 de agosto de 2017 09:11

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Pescadores capturam tubarão com 300 dentes

Internautas veem mulher com smartphone em quadro de 1860

Homem esquece onde estacionou e reencontra carro após 20 anos

Professora mandava ‘nudes’ e exigia sexo para aumentar notas
Jovem é eletrocutada por cabo de celular enquanto dormia
Execução de condenado à morte dá errado; entenda
Teias de aranhas gigantes envolvem árvores de floresta
O bolo de frutas de 106 anos encontrado na Antártida/Foto: Divulgação /
PUBLICIDADE

“Dá quase para comer”, na opinião dos pesquisadores que abriram a embalagem

Que tal comer um bolo de quando a vovó ainda não existia? Ativistas do Antarctic Heritage Trust (AHT), órgão da Nova Zelândia que luta pela preservação da Antártida, encontraram, perdida no continente gelado, uma lancheira de latão com bolo de frutas secas de 106 anos de idade. Tudo indica que a guloseima foi parar lá na bagagem do britânico Robert Scott, líder da famosa expedição Terra Nova, que alcançou o Polo Sul em 1912. O final não foi feliz. Scott e três de seus companheiros perderam a “corrida”, alcançando o marco geográfico 33 dias depois do norueguês Roald Amundsen, e morreram na viagem de volta por causa do frio. 

O recipiente enferrujou, mas mantém resquícios da pintura original. A sobremesa foi preservada pelo gelo – “Dá quase para comer”, na opinião dos pesquisadores que abriram a embalagem.

“Tinha um cheiro de manteiga rançosa muito, muito leve; tirando isso, o bolo parecia comestível!”, afirmou em uma declaração à imprensa Lizzie Meek, responsável por artefatos históricos da AHT. “Não há dúvidas de que o frio extremo da Antártida ajudou a preservá-lo.” Segundo ela, bolos com nozes e frutas secas são favoritos de quem vai encarar regiões frias até hoje por fornecerem muitas calorias.

A lancheira não passou os últimos 100 anos sozinha. Foi encontrada na companhia de 1,5 mil itens históricos de todos os tamanhos, esquecidos por aventureiros de várias nacionalidades em uma cabana construída por uma expedição norueguesa, em 1899, e reaproveitada pela missão britânica (de Scott) em 1911. A pequena construção fica no cabo Adare, uma península na extremidade do continente mais próxima da Austrália.

A equipe de Meek removeu a ferrugem do recipiente de estanho e fez um tratamento químico em sua superfície para evitar mais corrosão. O papel da embalagem e o rótulo também passaram por “manutenção”, mas o bolo em si foi deixado como está. Após a restauração das cabanas, todos os artefatos históricos – mesmo os que contém comida – serão devolvidos ao local exato em que foram encontrados. A área é patrimônio histórico e protegida por acordos internacionais de preservação. No inventário, além do doce de Natal, estão ferramentas, roupas, aquarelas da fauna local, pedaços de carne e peixe em péssimo estado de conservação e alguns potes de geleia que ainda renderiam uma boa dupla com pasta de amendoim.

Atribuir o bolo especificamente à missão histórica de Scott pode parecer uma aposta arriscada, mas não é. Documentos remanescentes dos preparativos para a viagem mencionam a origem do produto – que é da Huntley & Palmers, espécie de Bauducco britânica sediada até hoje na cidade de Reading, a oeste de Londres. Ninguém na empresa se impressionou.

“Nossas latas aparecem nos lugares mais inesperados”, afirma o site oficial. “Em 1904, os primeiros europeus a visitarem a cidade sagrada de Lhasa, no Tibet, foram recebidos com biscoitos Huntley & Palmers.”

Informações MSN Notícias

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização