Família interrompe velório após achar que morto estava vivo | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Família interrompe velório após achar que morto estava vivo

Insana

10 de agosto de 2017 08:40

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Mulher morre ao colocar cabeça fora do carro e bater em placa

‘Hot Wheels’ BMW M3 vira Uber em Curitiba

Homem tem deformação no crânio após uso de energético

Polícia de Dubai testa 'moto voadora'
Modelo morre ao fazer strip-tease com carro em movimento
No Peru, homem cai do 18º andar e sobrevive
Australiana pega tubarão nos braços para devolvê-lo ao mar
Médico usou aparelho para medir batimentos cardíacos no morto/Foto: Reprodução YouTube/
PUBLICIDADE

O caso aconteceu no oeste do Paraná

Neimar Bonetti, morador da cidade de São José dos Palmeiras, no oeste do Paraná, teve a morte constatada em um hospital da região na noite da última terça (8). No entanto, os familiares do homem de 44 anos tomaram um susto durante o velório que aconteceu em Santa Helena, a 609 quilômetros de Curitiba: os parentes acharam que o corpo dele “ainda esteve quente” e acreditaram que estava, na verdade, vivo.

Apavorados, os familiares pediram por um médico que, em um rápido exame, identificou batimentos cardíacos. Após uma remoção de emergência, uma nova avaliação constatou que Neimar estava, de fato, morto.

Após o susto, o velório recomeçou e o homem, que morava em um assentamento e, ao que tudo indica, morreu por infarto, foi enterrado às 17h de ontem (9). Na pequena cidade de apenas 23 000 habitantes, no entanto, os moradores chegaram a pensar que um milagre tinha acontecido.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Neimar aparece dentro do caixão, enquanto um oxímetro, aparelho usado para medir a frequência cardíaca, mostra a presença de batimentos. A dona da funerária onde aconteceu o caso, Terezinha Maria, revelou que quando o médico notou os batimentos no meio do velório, uma comoção se instalou entre os presentes.

Ela explicou que após passar por um “tanato”, procedimento em que são retirados sangue e fluidos corporais que permanecem no corpo, o homem só poderia estar vivo por um milagre. “Com 43 anos de funerária foi a primeira vez que isso aconteceu comigo “, revelou. 

O médico responsável por fazer o atendimento no velório, Fernando Santim, explicou que precisou levar o homem até o hospital para fazer outros exames para confirmar se estava vivo ou não. No hospital, foi feito um eletrocardiograma e Neimar foi avaliado por outros dois médicos, que constataram a morte.

“Normalmente, o coração depois do óbito ainda emite uma atividade elétrica por algum período. Eu fui acionado junto com uma enfermeira e levei um oxímetro, que constatou o pulso, mas precisei levá-lo ao hospital para confirmar. A gente entende a família, mas o que eu fiz foi só tranquilizá-los. Se estivesse vivo, nós tomaríamos as providências, mas realmente ele estava em óbito“, contou.

Informações MSN Notícias

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização