Irmãos simulam sequestro e post viraliza na web

Insana

27 de janeiro de 2017 13:41

-

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Nasa anuncia descoberta de dez novos planetas parecidos com a Terra

Homem morre após ser mordido por porco no pênis

Empresa vai tentar trazer 20 mortos de volta à vida

Achocolatado vem de vacas marrons, acreditam 7% dos americanos
Mulher é presa depois de espancar cachorro usando bota de salto alto
Pavão invade loja de bebidas e causa prejuízo
Homem tenta pagar multa com 27 mil moedas de um centavo
PUBLICIDADE

Garotos de Londrina simularam um sequestro que envolveu fita crepe, saco de lixo e até ressurreição

Fita crepe como corda, saco de lixo e até ressurreição. Nesta semana, a estudante de jornalismo Pietra Bilek, de Londrina, compartilhou uma série de mensagens de WhatsApp que os seus irmãos Pedro, 16, e Arthur, de 6, enviaram à mãe Cleia no início da semana: a simulação do sequestro do caçula, enquanto a responsável estaria no trabalho.

Em entrevista ao jornal Extra, Pietra conta que ela chegou em casa por volta das 13 horas e, como Arthur estava de férias, há um revezamento para cuidar dele. “Quando cheguei em casa, o Arthur estava cheio de fita crepe. Eu ri e falei: ‘Não sou eu quem vou impedir’. Fui fazer umas coisas da faculdade e quando voltei o Arthur estava dentro de um saco preto”, conta.

“Eu parei do lado deles com cara de: ‘O QUE TÁ ACONTECENDO?’ O Pedro foi me mostrar as fotos, minha reação foi a mesma da minha mãe: “PEDRO VOCÊ COLOCOU O ARTHUR NO TELHADO!”, relembra, entre risos. Ela enviou um áudio na sequência avisando a mãe que estava tudo bem.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização