Com duplicação, BR-376 ganha segurança e aumenta capacidade | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Com duplicação, BR-376 ganha segurança e aumenta capacidade

especiais-rodovias

25 de agosto de 2017 23:22

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Rodovia impulsiona novos empregos em Piraí do Sul

Obras em rodovias geram mais de mil empregos

Concessões modernizam profissões em rodovias

RodoNorte repassa R$ 488 milhões aos municípios
Arrecadação nas rodovias impacta nos cofres de PG
Empresa reaproveita material ‘descartável’ em projetos
Rodovias contribuem para desenvolvimento social
PUBLICIDADE

Muito mais que ligar dois pontos do mapa, a eficiência de uma rodovia pode ser medida pelo nível de segurança que ela apresenta aos usuários. Seja com sinalização adequada, boas condições da pista e até mesmo com a presença de equipe de atendimento de emergência, o motorista espera que sejam oferecidos itens que resultarão na redução de acidentes em rodovias.

Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em todo o país foram registrados 44,9 mil acidentes em rodovias federais durante o primeiro semestre do ano, com vítimas em pouco mais de 64% dos casos - e quase 3,1 mil vidas perdidas. O número parece assustador à primeira vista, mas poderia ser extremamente maior se não houvesse a intervenção de melhorias em trechos com tráfego elevado.

Um exemplo claro é a BR-376, no trecho entre Arapongas e Ponta Grossa. Antigamente com problemas estruturais e de segurança, ela recebeu ao longo dos anos uma série de obras, reformas e reestruturações para que o número de acidentes com vítimas fosse reduzido de forma drástica. Os trabalhos vão desde curvas projetadas corretamente e melhorias de pavimentação, à reestruturação de pontes e viadutos.

Apesar de boa parte dos acidentes de trânsito registrados em rodovias serem resultado da imprudência e falta de atenção de motoristas, especialistas acreditam que uma fatia da ‘parcela de culpa’ que cai sobre os usuários seja consequência de problemas estruturais da via.

Para diminuir ainda mais o risco de colisões, capotamentos e saídas de pista, a CCR RodoNorte iniciou, em janeiro de 2014, a maior obra rodoviária do Paraná. Trata-se da duplicação de 231 km da rodovia BR-376, sob responsabilidade da empresa, entre Ponta Grossa e Apucarana. Destes, 25 km já foram finalizados e liberados para o tráfego somente entre 2015 e 2016. A concessionária opera ainda com setes frentes de trabalho para agilizar a entrega do trecho completo: Apucarana, Califórnia, Tibagi, Alto do Amparo, Imbaú, Ortigueira e Marilândia do Sul. O investimento total da obra é de R$ 1,2 bilhão.

A duplicação da rodovia deve aumentar a segurança dos motoristas que trafegam por ela, de acordo com estudos feitos pela PRF. De acordo com o órgão, um dos trechos mais dificultosos da ‘Rodovia do Café’, como é conhecida a BR-376, é entre Apucarana e Mauá da Serra - com grande incidência de colisões frontais. Atualmente com pista simples, sem terceira faixa e com poucos pontos de ultrapassagens, motoristas sentem-se inquietos após longos minutos atrás de caminhões e acabam realizando manobras arriscadas e passagens em locais proibidos. A duplicação deve colocar um fim a este e outros problemas.

Índice de mortes tem apresentado queda expressiva

Desde o início da concessão, em 1998, até final de 2016, o índice de mortes nas rodovias administradas pela CCR Rodonorte caiu 75%. A redução nos índices de acidentes também é expressiva: queda de 67%. O número deve ser ainda menor após a finalização das obras de duplicação da rodovia BR-376, principalmente por conta da diminuição de colisões frontais que devem ser registradas. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização