Polícia Federal deflagra Operação Cavalo de Fogo | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Polícia Federal deflagra Operação Cavalo de Fogo

Cotidiano_old

03 de abril de 2014 11:10

Gabriel Sartini

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Paraná aumenta arrecadação federal, mas retorno encolhe

Produção industrial paranaense avança 2,8% em março

Márcio Villela é o novo secretário de Estado da Comunicação Social

Carro é filmado batendo em poste e partindo ao meio; assista
Marquito teria exigido parte de salário de funcionários em SP
Mulher é suspeita de matar marido para salvar filha no PR
'Canal' de menina que teve câncer é invadido por hacker
PUBLICIDADE

Com o objetivo de desarticular uma quadrilha de tráfico internacional de drogas, a Polícia Federal deflagrou a Operação Cavalo de Fogo na manhã desta quinta-feira (3). No total, os agentes devem cumprir 72 mandados de prisão e outros 46 de busca e apreensão  em oito cidades de quatro estados. Todos os mandados foram expedidos pela 5ª Vara Federal de Foz do Iguaçu.

As buscas são realizadas simultaneamente no Paraná (Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Guaíra e Maringá), São Paulo (capital e Limeira), Espírito Santo (Vitória) e Poços de Caldas (Minas Gerais).

A investigação teve início pela delegacia da PF de Maringá depois de constatado que os criminosos atuavam com mais frequência na região. Houve declinação da competência em favor da Justiça Federal local e a investigação foi transferida para Foz do Iguaçu.

Ao longo de pouco mais de dois anos de investigação, foram efetuadas 55 apreensões, a maioria de entorpecentes oriundos do Paraguai. Foram apreendidos cerca de 37 mil kg de maconha, 1,3 mil kg de cocaína, 560 kg de crack, três fuzis, 12 pistolas de calibre de uso restrito, 56 veículos e R$ 450 mil em dinheiro, que seriam utilizados no pagamento de droga. Além disso, 84 suspeitos foram presos em flagrante.

As drogas apreendidas, fornecidas por narcotraficantes paraguaios, entravam no Brasilpor meio de embarcações pelo Lago de Itaipu. Os destinos eram variados e as drogas eram levadas para São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco.

Com a investigação focada na própria organização criminosa foi possível apurar a forma de operação da quadrilha, identificando seus integrantes e descobrindo quais deles ocupavam posição de maior relevância e poder de comando.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização