Polícia descobre outro envolvido em morte de jovem

Cotidiano

14 de novembro de 2017 14:20

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Senado aprova voto distrital misto para 2020

Mega-Sena pode sortear R$ 50 milhões nesta quarta

Antiga estação de trem é destruída por incêndio

Secretários discutem agroecologia para os próximos anos
Richa confirma mais R$ 100 milhões para 250 municípios
Prazo para usar Nota Paraná no IPVA acaba no dia 30
Deputado caçoa de projeto e descobre que é o próprio autor
/Reprodução
PUBLICIDADE

A Polícia Civil de Minas Gerais informou, no início da noite dessa segunda-feira, 13, ter identificado mais uma pessoa envolvida na morte de Kelly Cadamuro, de 22 anos, assassinada no início deste mês ao dar carona via aplicativo de celular.

Trata-se de um homem de São José do Rio Preto (SP), que ficaria com o carro da jovem – o que não ocorreu porque o assassino Jonathan Pereira do Prado, de 33 anos, que está preso, não conseguiu entregar o veículo, um Fox, ao comprador.

A novidade no caso foi revelada após familiares de Kelly questionarem a polícia por ter anunciado que o inquérito havia sido encerrado na última sexta-feira, 10. Parentes da jovem chegaram a anunciar que contratariam um perito para analisar imagens de um pedágio por onde ela passou antes de ser morta porque suspeitavam que uma terceira pessoa estivesse dentro do carro, além dela e do assassino.

A alegação dos delegados é que o anúncio do encerramento das investigações teria sido uma estratégia para não chamar a atenção. E que a quebra do sigilo telefônico da vítima, uma reivindicação dos parentes, já havia sido requisitada à Justiça

Segundo a nova versão, o assassino ia entregar o carro quando soube, também via aplicativo de celular, que ele já constava como roubado e por isso decidiu abandoná-lo. Ele ficou apenas com o som e as rodas, que foram vendidas para duas pessoas que já tinham sido identificadas. A polícia agora busca esse suposto comprador.

Outra novidade descoberta com a quebra do sigilo foi que o assassino tentou pegar carona com outras mulheres para fugir, após matar a jovem. Ele, porém, não conseguiu porque elas teriam se recusado a buscá-lo. As mulheres foram ouvidas pela delegacia nesta segunda-feira.

Segundo as investigações, o homem matou a jovem por estrangulamento no caminho entre São José do Rio Preto (SP) e Itapagipe (MG). Ele viajava com ela porque conseguiu carona por meio de um grupo de WhastApp. A jovem havia saído do interior paulista para encontrar o namorado em Minas Gerais.


Informações da Banda B.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização