Aliel recorre à PGR contra liberação de emendas

Cotidiano

17 de julho de 2017 18:49

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Temer diz na Argentina que a população entenderá aumento do PIS/Cofins

Avião faz pouso forçado em cidade do interior do PR

Mega-Sena de R$ 78 mi faz apostador sonhar acordado

Júri condena pais por assassinato da filha de quatro anos
Ônibus tomba após bater contra carro do Uber na CIC
Morador leva tiro ao reagir assalto na frente de casa
População entenderá aumento de imposto, diz Temer
/Imagem: Divulgação
PUBLICIDADE

Lideranças da Rede Sustentabilidade, entre elas o deputado federal Aliel Machado, acionaram a Procuradoria Geral da República (PGR) pedindo a apuração do aumento na liberação de emendas parlamentares pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB). Na visão de Aliel e do também deputado, Alessandro Molon, e do senador Radolf Rodrigues, a liberação de emendas durante à análise da denúncia contra o presidente pelo crime de corrupção passiva deve ser investigada.

“Cobramos que haja acompanhamento, vivemos um momento muito grave da política e as emendas impositivas não podem ser utilizadas como barganha diante de um governo cada vez mais frágil”, contou Aliel. Segundo o deputado da Rede Sustentabilidade, um levantamento do partido mostra que os valores liberados no último mês “superam em muito” as cifras liberadas em outros períodos.

O partido buscou a PGR para sugerir uma ação que “corrija os equívocos” na liberação das emendas. “Além das emendas liberadas, também existe uma distribuição escancarada de cargos que compromete um governo frágil e ainda faz da Câmara um balcão de negócios”, contou o deputado.

Um levantamento da ONG Contas abertas mostra que o Governo Federal liberou em junho R$ 134 milhões em emendas a 36 dos 40 deputados que votaram a favor do presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O colegiado aprovou parecer que recomenda a rejeição da denúncia da PGR contra o presidente, mas a denúncia ainda precisa passar por votação no plenário principal da Casa de Leis.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização