TSE lança campanha para acabar com mitos eleitorais | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
TSE lança campanha para acabar com mitos eleitorais

Cotidiano

18 de junho de 2017 19:23

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

INMET emite alerta de perigo para temporais no PR

Temporal causa estragos no RS e se aproxima do Paraná

Alunos de creche incendiada em Janaúba voltam às aulas hoje

Chuva de meteoros deve iluminar os céus neste sábado
Com saques do Pasep, agências do BB abrirão 1 hora mais cedo
Mega-Sena pode pagar hoje R$ 4 milhões
CCJ aprova parecer contrário à segunda denúncia contra Temer
Perfis oficiais do TSE no Facebook e no Twitter tratam de mitos que circulam principalmente em época de eleições | Tânia Rêgo/Agência Brasil/
PUBLICIDADE

Com o objetivo de esclarecer questões sobre o processo de votação, opções de voto e o resultado de uma eleição, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou neste domingo (18) em suas redes sociais a campanha Mitos Eleitorais. O primeiro tema a ser abordado na fanpage, no Facebook e no perfil do tribunal no Twitter será "Votar nulo anula uma eleição?".

A ideia da campanha, que será veiculada este mês e em julho, é desmistificar alguns temas e esclarecer o eleitor brasileiro. Para isso, foram criados nove vídeos de curta duração, animados, com infográficos para as redes sociais.

Os demais temas da campanha são "Voto em branco vai para quem está ganhando?", "Voto em branco é igual a voto nulo?", "É eleito sempre o candidato que possui mais votos?", "Quem não votou na última eleição não pode votar na próxima?", "Depois da eleição é possível saber em quem o eleitor votou?", "Quem é convocado para ser mesário, será convocado sempre?", "Ninguém pode ser preso no dia da eleição?" e "O eleitor pode votar usando a camiseta do seu partido?".

No Twitter do tribunal, o eleitor também pode participar de um jogo para testar seus conhecimentos.

Informações Agência Brasil.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização