Palocci diz que pode revelar "nomes e operações" para a Lava Jato

Cotidiano

21 de abril de 2017 14:31

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Receita Federal completa 49 anos nesta segunda

Nasa lança satélite meteorológico de nova geração

Elizabeth II e marido comemoram 70 anos de casamento

Ex-estagiário da Justiça Federal é preso pela PF
Prazo para renovação do Fies é prorrogado para o dia 30
Lotofácil deve sortear R$ 1,7 milhão hoje
Receita passará a exigir CPF de dependentes de todas as idades
/Imagem: Fotos Públicas
PUBLICIDADE

Ex-ministro afirmou que tem “nomes, endereços e operações” que poderiam ajudar as investigações da Lava Jato

O ex-ministro Antônio Palocci disse nesta quinta-feira (20), em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que está disposto a colaborar com as investigações e apresentar "nomes, endereços e operações realizadas", que podem render mais "um ano de trabalho" à Operação Lava Jato. Palocci foi interrogado na ação penal em que é acusado pela força-tarefa de procuradores de operar um suposto esquema de caixa 2 para o PT.

Ao final do depoimento no qual negou ter arrecadado propina ao partido, o ex-ministro disse que está à disposição de Moro para revelar situações que optou por não falar durante a audiência "por sensibilidade da informação".

"Todos os nomes e situações que optei por não falar aqui, por sensibilidade da informação, estão à sua disposição. O dia que o senhor quiser, se tiver com a agenda muito ocupada, a pessoa que o senhor determinar, eu imediatamente apresento todos esses fatos com nomes, endereços, operações realizadas e coisas que vão ser certamente de interesse da Lava Jato, que realiza uma investigação de importância, e acredito que isso dá um caminho que talvez vai lhe dar mais um ano de trabalho, mas é um trabalho que faz bem ao Brasil", disse Palocci.

O ex-ministro está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde setembro do ano passado. Na ação penal, Palocci e mais 14 pessoas são acusadas dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

De acordo com a Polícia Federal, a empreiteira Odebrecht tinha uma “verdadeira conta-corrente de propina” com o PT, partido do ex-ministro. Para os investigadores, a conta era gerida por Palocci, e os pagamentos a ele eram feitos por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht – responsável pelo pagamento de propina a políticos – em troca de benefícios indevidos no governo federal. No depoimento, o ex-ministro negou que tenha atuado para beneficiar a empreiteira ou que tenha pedido doação de campanha via caixa 2.

As informações são da Agência Brasil.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização