Grupo Madero afirma ter ‘denunciado’ escândalo de frigoríficos

Cotidiano

17 de março de 2017 16:44

Rodrigo de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Decoração contribui para evitar os problemas respiratórios no inverno

Ford relança o New Fiesta Sedan com novas tecnologias

Crise abre oportunidade para falar sobre dinheiro com crianças

Água com ‘causa social’ da Ambev chega ao Paraná
Governo Federal prorroga inscrições do Pronatec
Grande operação contra o crime é deflagrada no PR
Polícia cria perfil falso e forja encontro para prender foragido
/Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Presidente da rede de restaurantes, Junior Durski afirma estar “extremamente feliz por ter contribuído” com a PF. Operação Carne Fraca apura fraudes na fiscalização de carnes.

O presidente do Restaurante Madero, Junior Duski, emitiu uma nota durante a tarde de sexta-feira (17) afirmando ter denunciado e colaborado com a Polícia Federal (PF) a respeito das investigações da operação ‘Carne Fraca’. A ação da PF cumpriu 311 mandatos judiciais em sete estados do Brasil e é considerada pela própria polícia como a maior operação já realizada no país. A ‘Carne Fraca’ apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos, que permitiam a venda e exportação de carnes vencidas, adulteradas e até mesmo estragadas.

Em nota encaminhada pela assessoria de imprensa, Junior Durski afirmou que se sente “imensamente orgulhoso e feliz” por ter contribuído com o trabalho da Polícia Federal e explicou a citação do Madero no âmbito da operação. Segundo Durski, os funcionários da empresa foram colocados à disposição para depoimentos, que explicavam as extorsões dos fiscais do Ministério da Agricultura junto ao Madero.

“Isto é nosso dever como cidadãos brasileiro, pois ajuda a passar o Brasil a limpo, tornando-o um lugar mais digno e descente para que as nossa crianças cresçam e se alimentem de produtos e conceitos bons”, disse Durski, em nota.

O presidente do Madero ainda afirmou que é preciso ter “muita disposição e coragem” para denunciar e colaborar com a polícia e com a Justiça, principalmente por conta do momento em que o Brasil vive. “Só assim vamos tornar este maravilhoso país um lugar que nos orgulhemos, e que possamos trabalhar cada vez mais com muita força e determinação, fazendo as nossas empresas e o nosso país crescerem cada vez mais”, concluiu.

Confira, na íntegra, a nota oficial encaminhada pelo Restaurante Madero:

“NOTA OFICIAL

Referente a citação do Restaurante MADERO na operação CARNE FRACA, venho, em meu nome e em nome do MADERO, dizer que me sinto imensamente orgulhoso e feliz por ter contribuído com a POLÍCIA FEDERAL, com a nossa disposição e com os nossos depoimentos explicitando as extorsões dos fiscais do Ministério da Agricultura em nossa empresa.

Isto é o nosso dever como cidadãos brasileiros, pois ajuda a passar o Brasil a limpo, tornando-o um lugar mais digno e decente para que as nossas crianças cresçam e se alimentem de produtos e conceitos bons. É no mínimo a nossa obrigação, seja como pais, empresários ou simplesmente como cidadãos brasileiros de bem.

Temos que ter muita disposição e coragem neste momento que o Brasil dá esta virada, denunciando e colaborando com a polícia e com a justiça, sempre que estes bandidos e corruptos batam às nossas portas. Só assim vamos tornar este maravilhoso país um lugar que nos orgulhemos, e que possamos trabalhar cada vez mais com muita força e determinação, fazendo as nossas empresas e o nosso país crescerem cada vez mais.

Junior Durski

Presidente

Restaurante Madero”

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização