Previs?o do tempo
   
PR investiu mais de R$ 15 bi em saúde nos últimos seis anos

Cotidiano

11 de janeiro de 2017 11:32

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Integração policial dá primeira resposta ao assalto no Paraguai

UTFPR quer ficar entre as melhores universidades do País

STF revoga decisão e manda goleiro Bruno para cadeia

Combate a Hipertensão é lembrado nesta quarta-feira
Reforma trabalhista vai ao Plenário amanhã, prevê Maia
Menina de dois anos morre após subir em balcão e cair
Comissão começa a discutir a reforma da Previdência
Investimentos em saúde foram cerca de R$ 4,64 bilhões/Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Número significa a aplicação de 12,02% do orçamento total do Estado para a área da saúde.

O Governo do Paraná fechou o ano de 2016 batendo um novo recorde no volume de recursos destinados à área da Saúde. Ao todo, foram cerca de R$ 4,64 bilhões para o setor, sendo R$ 3,31 bilhões oriundos do tesouro estadual, o que significa a aplicação de 12,02% do orçamento total do Estado na área. Levando em conta os seis anos da gestão Beto Richa (2011 a 2016), o Estado já aplicou quase R$ 15 bilhões em ações e serviços de saúde. 

O montante é mais que o dobro do investido nos oito anos da gestão anterior – R$ 6,7 bilhões. “Temos dado atenção especial à área da Saúde e isso pode ser visto em nosso orçamento. Os investimentos crescem ano a ano e refletem diretamente na qualidade de vida dos paranaenses. Nossa missão é oferecer atendimento digno o mais próximo das pessoas”, ressaltou o governador. 

Richa lembra ainda que medidas inovadoras, como a criação do Serviço de Transporte Aeromédico, só estão sendo possíveis graças a este aporte extra na Saúde. “Hoje, todo o Estado é coberto por aviões e helicópteros para atendimento de urgências. Serviços que não existiam antes da nossa gestão e agora são essenciais para o resgate e transporte de pacientes em situação grave”, afirmou.

Para se ter ideia, no último ano da gestão anterior (2010), o governo estadual havia aplicado R$ 1,53 bilhão em ações e serviços de saúde. Seis anos depois, em 2016, este valor é duas vezes maior. 

Somente na Rede Mãe Paranaense, o Estado investiu mais de R$ 630 milhões. O recurso foi direcionado exclusivamente para a melhoria das condições de assistência a gestantes e bebês. As ações, implantadas em parceria com os municípios e unidades de referência, fizeram com que o Paraná chegasse aos menores índices de mortalidade materna e infantil da história.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, estima-se que 507 vidas foram salvas graças às ações da Rede Mãe Paranaense. “A projeção era de que 146 gestantes e 361 bebês poderiam ter morrido, caso o Estado mantivesse os índices de 2010”, detalhou.

 

Incentivos

Com a ampliação do orçamento, foi possível a criação de incentivos para apoiar os municípios na execução das políticas públicas de saúde. “Esses incentivos têm mudado a realidade de prefeituras que podem contar com recursos extras para custeio, investimento e capacitação profissional” diz Caputo Neto. Como exemplo, o secretário citou as áreas de Vigilância em Saúde, Assistência Farmacêutica e Atenção Primária.

Os recursos são transferidos do Fundo Estadual de Saúde aos fundos municipais, sem a necessidade de convênios. Com a verba, as prefeituras puderam adquirir novos veículos para equipes e para transporte de pacientes, comprar equipamentos para Unidades de Saúde, computadores e impressoras para melhorar o parque tecnológico das secretarias e ainda promover a educação permanente de seus profissionais.

 

Cirurgias

Destaque também para o Mutirão Paranaense de Cirurgias Eletivas. Iniciado em setembro de 2015, o mutirão beneficiou mais de 50 mil pacientes de todas as regiões do Estado. A iniciativa tirou da fila de espera pessoas que há anos aguardavam por procedimentos eletivos pelo SUS, como cirurgias de catarata, hérnia de disco, cirurgias gerais, cirurgias ortopédicas, ginecológicas, entre outras especialidades.

“Com mais recursos, pudemos avançar em áreas prioritárias, como é o caso das eletivas. Há relatos de idosos que estavam praticamente cegos e voltaram a enxergar após realizar uma cirurgia de catarata. Alguns que sequer conheciam os netos por conta dos problemas de visão”, exemplificou o secretário.

 

Execução orçamentária

De acordo com o balanço preliminar da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a pasta também obteve desempenho positivo em relação à execução orçamentária. Dados apontam que 99,32% dos recursos liberados à Saúde foram empenhados.

O diretor-geral da Sesa, Sezifredo Paz, explica que dezenas de profissionais trabalharam durante o recesso de fim de ano para cumprir com os prazos e a finalizar os processos de empenho financeiro. “Isso é prova de que temos uma equipe extremamente comprometida e que não mede esforços para garantir o funcionamento da rede pública de saúde”, disse ele.

As informações são da AEN.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização