Caixa quer priorizar o ‘Faixa 1,5’ do MCMV

Campos Gerais

14 de julho de 2017 16:59

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Polícia encontra ‘arsenal’ com suspeito de violência doméstica

Homem é morto com tiro na cabeça durante visita à família

Casal é preso com armas, munições e carro roubado

Fantasias épicas marcam 1ª Feira Medieval da região
Batida entre carro e caminhão deixa dois mortos na região
PM prende dupla que roubou ônibus em Castro
Fiep apresenta panorama de inovação na região
PUBLICIDADE

A Caixa Econômica Federal pretende focar, no setor da habitação, especialmente na região dos Campos Gerais, na nova faixa do Programa Minha Casa, Minha Vida, a ‘1,5’. A informação foi confirmada pelo presidente da Caixa, Gilberto Occhi, que esteve em Ponta Grossa nesta sexta-feira, em visita à Superintendência Regional dos Campos Gerais. Sua presença na Regional, segundo ele, ocorre porque ele pretende visitar todas as 84 superintendências do Brasil. Esta foi a primeira vez que a Superintendência recebeu um presidente do banco.

Em entrevista coletiva à imprensa, Occhi destacou a força da habitação em Ponta Grossa, porém lembra que há muitos projetos do ‘Faixa 1’, voltados para famílias com renda até R$ 1,8 mil. “Aqui a região é contemplada com alguns empreendimentos do ‘Faixa Um’, mas queremos incentivar, não só a prefeitura, mas também o setor empresarial, para desenvolver o ‘Faixa 1,5’ e o ‘Faixa 2’, para encontrar alternativas de apoio do setor público para que possa produzir mais unidades”, relata. O ‘Faixa 1,5’ contempla famílias com renda mensal entre R$ 1,8 mil e R$ 2,6 mil; e o ‘Faixa 2’ para famílias com renda mensal entre R$ 2,6 mil e 4 mil.

Segundo Occhi, para essa faixa lançada recentemente, na terceira fase do programa de habitação, ainda há muito recursos disponíveis para a construção dos residenciais. Como ele explica, a intenção de fomentar este segmento favorece o desenvolvimento econômico do país, ao gerar mais empregos. “A produção das unidades, muito mais do que a comercialização, gera muito emprego. E a Construção Civil é um dos setores que mais dá resposta rapidamente à economia. Então vamos continuar trabalhando muito nisso”, ressalta o presidente do banco.

Sobre a visita, que já foi realizada em algumas outras superintendências regionais no Brasil, a intenção é sempre melhorar o atendimento ao público. “Estamos ouvindo as demandas para que a Caixa possa estar sempre melhorando o seu atendimento na visão dos clientes. Então é mais dentro dessa panoramização de ouvir os empregados e visitar clientes”, informa. O Superintendente Regional, Adriano Resende, disse se ‘sentir honrado’ com a visita de Occhi, que destacou a Superintendência regional como uma das melhores e mais eficientes do Brasil.

 


Banco irá liberar mais R$ 7 bilhões do FGTS em agosto

O Presidente da Caixa revelou que o valor liberado pelas contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que atingiu a marca de R$ 42 bilhões, surpreendeu qualquer expectativa. E revelou que uma nova liberação de recursos do FGTS ocorrerá em agosto. O recurso, no entanto, não estará disponível de imediato. “Haverá a distribuição, até o final de agosto, dos dividendos do lucro do Fundo de Garantia. Algo próximo a R$ 7 bilhões”, disse. Esse valor se refere a 50% do lucro do FGTS de 2016, que foi de R$ 15 bilhões (referente à taxa de juros mais a taxa referencial (TR). Segundo ele, todo ano o mesmo procedimento será adotado: em 2018 será liberado 50% do lucro obtido durante o ano de 2017.

 

 Cooperativas são grandes parceiras no crédito agrícola

Occhi também falou sobre a liberação do Plano Safra, cujo banco amplia anualmente a sua participação nacional. Na região, ele destacou grandes parceiros do agronegócio. “Fazemos operação, na região, com cooperativas e diretamente com empresas. Então é importante fazer parcerias com as cooperativas, porque se abre um limite para a cooperativa e ela, com os cooperados, tem a capacidade de identificar a capacidade para custeio, produção e investimentos, e também a questão de equipamentos”, informou, ressaltando o excelente resultado da produção agropecuária, seja para o mercado nacional ou seja para a exportação. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização