Campos Gerais terá plantio recorde de soja nesta safra

Agronegócio

03 de outubro de 2017 20:29

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cooperativas do PR devem faturar R$ 70 bi em 2017

Região recebe encontro do Giro Técnico da Soja

Cooperativas do Paraná deverão ‘lucrar’ R$ 2,6 bi em 2017

Paraná deverá colher 23 milhões de toneladas de grãos
Grávida pede ao Supremo Tribunal Federal para fazer aborto
Conab assina contratos com pequenos agricultores
Alep lança frente em defesa do pacto federativo
/
PUBLICIDADE

A Região dos Campos Gerais deverá registrar, nesta safra 2017/2018, o maior plantio de soja de sua história. Com a migração de muitos produtores de milho, a estimativa de safra, elaborada pelo núcleo regional do Departamento de Economia Rural, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (SEAB), aponta a ocupação de 577,73 mil hectares somente com a soja. A área plantada será 7,28% superior à registrada na safra passada, de 538,49 mil hectares. Mesmo na comparação com o recorde anterior, na safra 2015/2016, de 558,2 mil hectares plantados, o crescimento é de 3,5%. Em contrapartida, a área de milho deverá ser reduzida em 42%, de 99,2 mil hectares para 58 mil hectares.

Inúmeros são os motivos dessa migração do milho para a soja, segundo explica Luiz Alberto Vantroba, economista no núcleo regional do Deral. Além do preço, que é o principal, ele cita outros três fatores decisivos na mudança. “Depois tem o custo, que para se produzir um hectare de milho, o custo é muito mais alto do que a soja. O terceiro é o risco, já que a soja é mais resistente, então tem um risco climático menor. E o outro é a liquidez: a soja se vende direto, a hora que quiser”, informa.

Para esta safra, a estimativa aponta uma elevação de projeção do rendimento por hectare. Se no ano anterior o plantio iniciava com uma perspectiva de colher 3,6 mil quilos por hectare, nesta safra estima-se 3,7 mil quilos por hectare. A justificativa de Vantroba é tecnologia empregada na região, que a torna uma das mais produtivas do país. “O principal é a pesquisa, que rende em novas variedades de sementes, então isso está melhorando o potencial da cultura”, informa. A tecnologia de precisão, com novos maquinários, também contribuem para a elevação.

Tudo isso fará com que a colheita nesta safra possa superar a ‘supersafra’ 2016/2017. Mesmo com a redução de 7% na produtividade (na supersafra o rendimento por hectare foi de 3.964 quilos por hectare), a elevação de 7,2% na área plantada fará com que o total colhido na safra 2017/2018 atinja 2,137 milhões de toneladas, contra 2,134 milhões registradas na anterior. Já no milho, com a perspectiva de colher 10,2 mil quilos por hectare (4% a menos que na safra já colhida) em uma área 42% menor, estima-se que a produção total caia de 1,04 milhão de toneladas para 591,6 mil toneladas – ou seja, uma baixa de 44%.

 

Área de soja no Paraná ira aumentar 3%

No Paraná, A Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento está avaliando com muita cautela a estimativa de safra, que aponta para um volume de 23,2 milhões de toneladas para os grãos de verão, 8% inferior ao colhido na safra anterior. O plantio de soja tem uma previsão de ocupar uma área de quase 5,5 milhões de hectares, 3% a mais que na temporada anterior. A média prevista, de 19,5 milhões de toneladas representa um volume 2% inferior à safra anterior que teve as melhores condições de clima dos últimos anos, diz o economista do Deral, Marcelo Garrido.

A produção de milho da primeira safra cai bastante em decorrência do recuo de 33% na intenção de plantio. Este ano, o milho deve ocupar uma área de 343.490 hectares, enquanto no mesmo período do ano passado ocupou área de 513.627 hectares. Com isso a produção esperada será 37% inferior atingir 3,1 milhões na safra 2017/18.

 

Região é responsável por quase 30% da produção estadual de feijão

Houve, ainda, um pequeno volume de migração para o feijão, elevando em 2 mil hectares a área plantada neste ano, na comparação com a safra passada. A área plantada passará de 47,8 mil hectares na safra 2016/2017 para 49,8 mil hectares na 2017/2018. Essa área torna a região dos Campos Gerais responsável por 25% de toda a área plantada no Paraná, responsável por quase 30% da produção estadual, prevista para 109 mil hectares nos municípios da regional. “O feijão não está com preços muito bons, mas os produtores sempre têm a esperança de dias melhores. Principalmente os que planta o ‘feijão carioquinha’”, relata Vantroba, lembrando que a maioria deles opta também por uma segunda safra do grão, além de ser importante para a rotatividade da cultura.

 

Atraso no plantio

Devido às chuvas escassas desde agosto, o plantio de milho e soja atrasou na região. Porém, com o alto volume registrado desde a última quinta-feira, o plantio deverá ser normalizado. “A região está com 4% da soja plantada, mas não tem perigo de perda. Já no milho em algumas áreas provavelmente não vai ser atingido o potencial esperado, já que a germinação não foi a desejada com a baixa umidade”, informou Vantroba. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização