Cidades dos Campos Gerais lideram na produção agropecuária nacional

Agronegócio

29 de setembro de 2017 19:59

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cooperativas do PR devem faturar R$ 70 bi em 2017

Região recebe encontro do Giro Técnico da Soja

Cooperativas do Paraná deverão ‘lucrar’ R$ 2,6 bi em 2017

Paraná deverá colher 23 milhões de toneladas de grãos
Grávida pede ao Supremo Tribunal Federal para fazer aborto
Conab assina contratos com pequenos agricultores
Alep lança frente em defesa do pacto federativo
/
PUBLICIDADE

Municípios da região dos Campos Gerais mantiveram, em 2016, a posição de destaque nacional na produção em diversos setores da pecuária, ampliando, inclusive, a participação em alguns ramos. Números revelados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base na produção do ano passado, mostram a liderança, por exemplo, na produção leiteira, e de mel, por municípios da região. E não é apenas na pecuária: outro levantamento, do mesmo IBGE, também revelado nesta semana, com base na extração vegetal e silvicultura, evidencia cidades do segundo planalto paranaense que lideram o ranking na produção madeireira. 

Castro é o município que mais aparece nas listas nacionais, referentes à pecuária. Já reconhecida como a “Capital Nacional do Leite”, por ser a cidade que mais produz o líquido, em 2016 ampliou a produção e elevou a diferença para o segundo município que mais produziu. No ano passado, foram 255 milhões de litros, ou seja, 2% a mais do que os 250 milhões produzidos em 2015. Esse valor é mais do que o dobro da quarta maior produtora, a cidade de Coromandel (MG), com 121 milhões de litros produzidos. A segunda maior produtora nacional foi Patos de Minas (MG), com 152,7 milhões de litros produzidos – em 2015 esse valor foi de 149,6 milhões. Outra cidade da região figura entre as maiores produtoras: Carambeí somou 150 milhões de litros em 2016, se aproximando da segunda colocada. Em 2015 esse valor era de 140 milhões de litros (alta de 7,1%).

A cidade mais antiga dos Campos Gerais aparece no ‘top 20’ no segmento suíno e avícola. A instalação da Unidade Industrial de Carnes (Alegra), fruto de um investimento da intercooperação, tem elevado a criação de suínos em Castro. Com isso, hoje o município ocupa a 18ª colocação nacional no ranking de produção de leitões, com 210 mil cabeças. A líder nacional é Toledo (PR), com pouco mais de um milhão. Em matrizes suínas, o destaque é ainda maior, ocupando a quarta colocação nacional, mostrando o potencial de crescimento do setor, com 38 mil unidades. Já no ranking nacional de galináceos, Castro conta com 8,3 milhões de cabeças, o que a coloca na 16ª posição no Brasil.

Presidente da Sociedade Rural dos Campos Gerais, Edilson Gorte relaciona a referência regional ao histórico dos Campos Gerias, já que era rota dos tropeiros, e também pela imigração. “É uma região pioneira, já que por aqui passaram os tropeiros, que foram fixando residência, que são pessoas ligadas realmente com a terra. Assim como são os imigrantes que vieram para cá, os holandeses e alemães”, afirma, ressaltando o desenvolvimento e o investimento feito por eles, com a evolução ao longo dos anos. Posição de destaque a qual deve crescer com a fábrica da Alegra e do Complexo Avícola projetado para Jaguariaíva. “Vai melhorar de uma forma extraordinária. Vão fazer um ‘boom’ na nossa região na produção”, completa. 


Produção regional de madeira é destaque nacional 

A região de Telêmaco Borba é a maior produtora de madeira do Brasil. A própria Telêmaco Borba, que sedia a Unidade Monte Alegre da Klabin, é a cidade que mais produziu madeira em 2016, totalizando 3,5 milhões de m³ no ano passado. Somados com os outros cinco municípios que compõem a regional, são 8,5 milhões de metros cúbicos. Entre essas outras cidades, Ortigueira (sede da nova unidade da Klabin, a Puma) produziu 1,7 milhão de m³ e Tibagi 1,4 milhão. O segundo maior município produtor do Brasil é Três Lagoas, onde a produção atingiu a marca de 2,7 milhões de m³. Ortigueira aparece na quinta posição nacional, enquanto que Tibagi na 11ª. Na comparação com o ano passado, a regional aumentou a produção em 76,8%, ao subir de 4,83 milhões de m³ para 8,54 milhões de m³, enquanto que Telêmaco Borba quase dobrou essa produção (92% de alta), já que o total produzido em 2015 foi de 1,82 milhões de m³


Ortigueira é líder em produção de mel

Três municípios dos Campos Gerais estão entre os 20 maiores produtores de mel do Brasil. Ortigueira, que também se caracteriza pela produção madeireira, manteve a liderança nacional de mel em 2016: foram 700 toneladas no ano passado, valor que representa 1,8% de toda a produção brasileira. Arapoti também obteve evidência no ano passado, ocupando a terceira posição neste ranking, com 464 toneladas produzidas. Já Prudentópolis, reconhecida pela produção de feijão, também é referência em mel, aparecendo como o 13º maior produtor do Brasil.



PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização