Região representa 9,15% do faturamento agrícola do PR

Agronegócio

26 de setembro de 2017 19:06

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cooperativas do PR devem faturar R$ 70 bi em 2017

Região recebe encontro do Giro Técnico da Soja

Cooperativas do Paraná deverão ‘lucrar’ R$ 2,6 bi em 2017

Paraná deverá colher 23 milhões de toneladas de grãos
Grávida pede ao Supremo Tribunal Federal para fazer aborto
Conab assina contratos com pequenos agricultores
Alep lança frente em defesa do pacto federativo
/Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Estado fecha 2016 com VBP de R$ 88,83 bilhões. Regional de Ponta Grossa totaliza R$ 8,13 bilhões em valor de produção agropecuário.

Dados do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, colocam a região dos Campos Gerais como um dos mais importantes centros agropecuários do Paraná. De acordo com o departamento, o Valor Bruto da Produção (VBP) Agropecuária do Estado fechou o ano de 2016 em R$ 88,83 bilhões. A regional de Ponta Grossa, que abrange os 18 municípios da região, totalizou R$ 8,13 bilhões, correspondendo a 9,15% do valor paranaense.

O montante estadual apresentou um crescimento real de 1,7% em relação ao ano anterior (2015), quando o valor alcançado foi de R$ 87,38 bilhões. O VBP agropecuário é o faturamento bruto da produção no Estado e compõe a cesta de índices que são utilizados para calcular os repasses do Governo ao Fundo de Participação dos Municípios, referente ao ICMS do próximo ano.

O município com maior participação dos Campos Gerais é Castro, com faturamento de quase R$ 1,6 bilhão em 2016 – a cidade ainda figura na 3ª posição do Estado no quesito, atrás apenas de Toledo (1º), com um faturamento bruto de R$ 2,2 bilhões, e Cascavel (2º), com R$ 1,7 bilhão. Castro se destaca pela produção e cadeia leiteira municipal, destacando-se como maior produtor do Estado, com um volume de produção de 255 milhões de litros em 2016.

Ainda nos Campos Gerais localiza-se o município que mais produz soja no Estado, que é o de Tibagi, com um volume de 395 mil toneladas. O grão garantiu a cidade na 2ª posição regional, com faturamento total de R$ 974 milhões. Na sequência aparecem Carambeí (R$ 663 mi); Palmeira (R$ 638,5 mi); Piraí do Sul (R$ 588 mi); Arapoti (R$ 577 mi); Ponta Grossa (R$ 547 mi); Ortigueira (R$ 380 mi); Reserva (R$ 362,5 mi); Ipiranga (R$ 304.5 mi); Jaguariaíva (R$ 285,2 mi); São João do Triunfo (R$ 275 mi); Sengés (R$ 225,7 mi); Ivaí (R$ 213 mi); Ventania (R$ 205,7 mi); Telêmaco Borba (R$ 179,5 mi); Porto Amazonas (R$ 90,3 mi) e Imbaú (R$ 45,4 mi).

Secretário ressalta valores

Para o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, apesar de 2016 ter sido um ano difícil para a economia e com clima adverso durante o desenvolvimento das lavouras, o resultado comprova que o setor agropecuário paranaense ainda apresentou um resultado positivo. “Houve um crescimento real, motivado pelos bons preços alcançados pelas principais commodities produzidas e comercializadas no Paraná”, afirmou. Para este ano, a perspectiva para o Valor Bruto da Produção é de aumento porque a safra de grãos, em fase final de colheita, foi excepcional – devendo alcançar um volume de até 40 milhões de toneladas no Estado.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização