Faturamento da agropecuária chega a R$ 88,8 bi

Agronegócio

25 de setembro de 2017 14:08

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cooperativas do PR devem faturar R$ 70 bi em 2017

Região recebe encontro do Giro Técnico da Soja

Cooperativas do Paraná deverão ‘lucrar’ R$ 2,6 bi em 2017

Paraná deverá colher 23 milhões de toneladas de grãos
Grávida pede ao Supremo Tribunal Federal para fazer aborto
Conab assina contratos com pequenos agricultores
Alep lança frente em defesa do pacto federativo
/Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

VBP Agropecuária apresenta crescimento real de 1,7% ao ano anterior, quando fechou em R$ 87,38 bilhões.

O Valor Bruto da Produção Agropecuária do Paraná (VBP), em 2016, atingiu R$ 88,83 bilhões, o que corresponde a um crescimento real de 1,7% em relação ao ano anterior, quando o alcançado foi de R$ 87,38 bilhões.

Esta é a versão definitiva do faturamento bruto da produção agropecuária paranaense contabilizada pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, e que vai compor a cesta de índices que são utilizados para calcular os repasses do governo do Estado ao Fundo de Participação dos Municípios, referente ao ICMS no ano que vem.

Para o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, apesar de 2016 ter sido um ano difícil para a economia e com clima adverso durante o desenvolvimento das lavouras, o resultado comprova que o setor agropecuário paranaense ainda apresentou um resultado positivo. “Houve um crescimento real, motivado pelos bons preços alcançados pelas principais commodities produzidas e comercializadas no Paraná”, afirmou.

Para este ano (2017), a perspectiva para o Valor Bruto da Produção é de aumento porque a safra de grãos, que está em fase final de colheita, foi excepcional devendo alcançar um volume de até 40 milhões de toneladas no Estado. O diretor do Departamento de Economia Rural (Deral), Francisco Simioni, ressaltou que a tendência de crescimento no faturamento bruto da produção deste ano poder não ser tão expressiva, mas segue positiva. “Se por um lado a produção se mantém em ascensão, por outro este ano está ocorrendo um recuo forte nas cotações das principais commodities como soja, milho, boi e leite”, alertou Simioni.

De acordo com o Deral, a safra 2015/16 foi marcada por um quadro climático que prejudicou o potencial produtivo das plantas. Ocorreram irregularidades no clima durante o desenvolvimento da safra de verão, ora com chuvas, ora com secas e variações abruptas de temperatura. E no inverno, ocorreram 12 geadas consecutivas logo no início da estação.

Mesmo assim a safra de grãos atingiu um volume de 35,1 milhões de toneladas e, sustentada por bons preços nas principais commodities como soja, milho, trigo, leite e carnes foram as que mais impulsionaram o faturamento no campo. Historicamente a soja se mantém na liderança como principal produto na formação do Valor Bruto da Produção, ocupando uma área entre 85% e 90% do total disponível no Estado. Este ano o cultivo da soja deve ocupar aproximadamente 91% da área disponível para o cultivo de grãos na primeira safra de primavera/verão.

Segundo o Deral, os produtos que mais contribuíram para o VBP foram a soja, com faturamento bruto de R$ 19,4 bilhões; frango de corte com faturamento de R$ 14,9 bilhões. Em seguida vem o milho, com faturamento de R$ 7,4 bilhões. Esses produtos representam, respectivamente, 22%, 17% e 8% do faturamento bruto da produção, esclareceu o economista Marcelo da Silva Gomes, responsável técnico pelo cálculo e elaboração do VBP.

Especificamente na pecuária, o faturamento bruto da avicultura - frango de corte, continua sendo o item mais importante da pecuária paranaense. Mesmo diante de uma conjuntura de dificuldades para avicultura em 2016, enfrentando a alta dos custos de produção em função do aumento do preço do milho, o faturamento com abate de frangos foi 9% acima de 2015 e o Paraná segue como maior produtor nacional e exportador dessa proteína.

A suinocultura, apesar de ter tido um aumento mais modesto de 3% na quantidade de animais abatidos, também teve crescimento positivo e tem perspectiva de ascendência dado os investimentos no setor produtivo em modernização e inovação industrial. A produção de leite foi 0,1% maior em 2016, atingindo 4,8 bilhões de litros. Houve alta nos custos de produção, por causa da elevação do preço do milho, mas o faturamento total com a produção de leite foi de R$ 6 bilhões, 20% a mais que em 2015.

Regiões

A região Oeste se mantém na liderança da contribuição com o faturamento bruto da produção, com um VBP alcançando R$ 19,3 bilhões, o que corresponde a um crescimento de 2,6% sobre o ano anterior. O bom desempenho da avicultura e da produção de grãos, mesmo em um cenário de alta nos custos de produção, sustentaram o avanço regional, analisou Marcelo da Silva Gomes.

Segundo o economista, a região concentra grande parte da criação e abate de suínos (68% do Estado). Destaca-se também na avicultura com 31% da produção paranaense, 34% da produção de milho e 22% da produção de soja no Estado. Além dessas cadeias, já consolidadas, vem crescendo a piscicultura, que corresponde a 69% da renda gerada com pescados de água doce no Paraná.

O Oeste conta, ainda, com os maiores VBPs municipais, sendo Toledo em primeiro lugar, com um faturamento bruto de R$ 2,2 bilhões; e Cascavel, em segundo lugar, com R$ 1,7 bilhão.

A segunda região que mais contribui com o VBP, de acordo com o Deral, foi a Norte Central, com faturamento de R$ 11,7 bilhões. Mas em 2016 foi bastante prejudicada pelo clima.

Situação semelhante ocorreu na Região do Norte Pioneiro, que teve um VBP de R$ 7,4 bilhões e que também apresentou queda, especialmente por conta da quebra da produção de grãos motivada pelas irregularidades do clima.

O Sudoeste é a terceira maior região, em faturamento, com resultado de R$ 10 bilhões em 2016, que correspondeu a um crescimento de R$ 6,2% em relação ao ano anterior. Esse aumento no faturamento ocorreu devido a maiores ganhos com a comercialização do leite, bem como aumento no número de abates de frango e maior faturamento com a comercialização de soja e milho.

A região Noroeste do Estado, que cresceu 5,7% com faturamento bruto de R$ 8,6 bilhões também vem apostando na produção avícola nos últimos anos, com o aumento no número de abates de frangos. A bovinocultura na região também está sendo fortalecida, aplicando a força na pecuária. Outras culturas importantes na região, que também tiveram aumento de produção e de faturamento, foram a cana-de-açúcar, mandioca e a produção de leite.

A região Centro-Sul teve um faturamento 7% superior ao de 2015, atingindo um total de R$ 6,6 bilhões em função de maiores ganhos com seus principais produtos como soja, leite e milho, entre outros que também tiveram desempenho positivo como batata, trigo e feijão.

Outras regiões que são grandes produtoras de grãos e apresentaram bom desenvolvimento agropecuário foram as de Campo Mourão e dos Campos Gerais, com crescimento de 2% e 2,4%, respectivamente. O núcleo de Campo Mourão, composto por 25 municípios, é o que mais produz soja no Estado, com mais de 2 milhões de toneladas na safra 2015/16. Nos Campos Gerais, situa-se Castro, que figura na terceira colocação entre os municípios com maiores VBPs, com faturamento de R$ 1,6 bilhão em 2016. É também o município com maior produção de leite, com 255 milhões de litros produzidos no ano passado, destacando-se como maior produtor do Estado, com um volume de produção de 255 milhões de litros em 2016.

Ainda nos Campos Gerais, localiza-se o município que mais produz soja no Estado, que é o de Tibagi, com um volume de 395 mil toneladas.

O Deral faz anualmente entre os meses de janeiro a julho a pesquisa, coleta e a estimativa de faturamento bruto da produção agropecuária paranaense de aproximadamente 350 itens em todo o Estado. Os resultados são utilizados pela Secretaria de Estado da Fazenda para compor a cesta de índices que formam o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) do próximo ano.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização