Soja gera R$ 2,9 bilhões em riquezas na região

Agronegócio

04 de julho de 2017 20:30

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões neste sábado

Frísia, Castrolanda e Capal lançam a Unium

'Unium’ é a nova marca da intercooperação da região

Conab estima queda de 6,2% na safra de grãos 2017/18
Iapar celebra aniversário com parcerias empresariais
Fim da vacinação contra Aftosa no PR impulsionará exportações
Cooperadas Frísia visitam fábrica de máquinas agrícolas
/Silvio Ávila/MAPA
PUBLICIDADE

A soja é a principal geradora de riquezas do agronegócio dos Campos Gerais. Números revelados pela Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (SEAB), através do Valor Bruto de Produção Agropecuária (VBP), apontam que, na safra passada, esse grão foi responsável por gerar R$ 2,91 bilhões em riquezas no campo nos 27 municípios dos Campos Gerais. Diante do VBP regional de R$ 11,04 bilhões registrado em 2016, a soja foi responsável por 26,4% - ou seja, mais de um quarto da produção total.

Entre os 27 municípios, a soja foi o maior gerador de riquezas em 19. Nos oito restantes, em sete a soja aparece na segunda colocação – em Carambeí e Castro a liderança é do leite; Piraí do Sul e Fernandes Pinheiro o destaque principal é o frango; Guamiranga e São João do Triunfo é o fumo; e em Imbaú e Telêmaco Borba destaque para a madeira. Apenas neste último município (Telêmaco Borba) que a soja aparece na terceira posição, atrás também da produção de mudas de eucalipto. 

Em alguns municípios, a soja corresponde a mais de um terço (mais de 33%) do VBP. Este é o caso de Rebouças (35,5%), Ortigueira (35,7%), Ventania (37,16%), Tibagi 46,43% e Ponta Grossa, onde esse grão lidera na participação, em 48,28% - ou quase metade do Valor Bruto de Produção. Em valores absolutos, a liderança é de Tibagi, onde a soja rendeu R$ 452 milhões, seguida por Castro (R$ 299 milhões) e Ponta Grossa (R$ 264,1 milhões).

O economista do núcleo regional do Departamento de Economia Rural em Ponta Grossa, Luiz Alberto Vantroba, relata que essa opção pela soja foi crescente nos últimos anos, por vários fatores. “A soja é o cultivo que está proporcionando as melhores rentabilidades aos produtores. Tem a maior liquidez, é mais fácil de vender, já que há a demanda no mundo inteiro. Com isso o milho foi se deslocando mais para o oeste, sudoeste”, adianta o profissional na região.

Além do mercado, a parte técnica também é destacada por Vantroba, como diferencial da região na soja. “Aqui o cooperativismo é muito forte, com a assistência técnica. Há a tecnologia, com novas variedades, e também o plantio direto, que nasceu aqui, e há a conservação do solo. A soja também tem resistência às adversidades climáticas”, conclui o economista do Deral. 


Campos Gerais é destaque nacional em rendimento

A região dos Campos Gerais se destaca nacionalmente quanto ao rendimento. Se na safra 2015/2016 o rendimento médio foi de 3.365 quilos por hectare, nesta safra 2016/2017 atingiu 3.955. Entre os 20 núcleos regionais do Deral, Ponta Grossa se destacou, na última safra (2017), na segunda colocação estadual, atrás apenas de Cascavel, onde foi atingida a marca de 4 mil quilos por hectare. A média estadual neste ano foi de 3,7 mil quilos por hectare, acima da média nacional. No entanto, como explica Vantroba, a região não possuía situações propícias para o desenvolvimento do cultivo. “Hoje estamos praticamente empatados com Cascavel. Mas lá tem uma diferença enorme de solo, que é plano, argiloso, e as nossas áreas não são as mais indicadas. Com o Nonô Pereira, que desenvolveu o plantio direto após muitos testes de solo, houve muita pesquisa e hoje estamos na vanguarda, conseguindo as melhores produtividades do Brasil”, diz.


Brasil

No ano passado, o VBP totalizou R$ 519 bilhões, segundo números revelados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para este ano no entanto, com o clima favorável e a entressafra, a estimativa do VBP de 2017 é de R$ 546,3 bilhões, o maior dos últimos 27 anos. O montante é 5,3% superior ao registrado em 2016. Além da safra de 234 milhões de toneladas estimada pela Conab, o aumento da produtividade foi de 21%.


Valor Bruto da Produção da soja na região

Cidade Valor

Arapoti R$ 125.620.744,80 

Cândido de Abreu R$ 55.237.239,14 

Carambeí R$ 94.667.965,65 

Castro R$ 299.769.528,00 

Curiúva R$ 22.339.198,50 

Fernandes P. R$ 56.964.798,00 

Guamiranga R$ 22.515.109,50 

Imbaú R$ 8.263.173,38 

Imbituva R$ 118.966.065,30 

Ipiranga R$ 82.442.526,30 

Irati R$ 95.068.062,00 

Ivaí R$ 49.614.315,00 

Jaguariaíva R$ 62.373.220,20 

Ortigueira R$ 131.265.180,00 

Cidade Valor

Palmeira R$ 206.753.559,00 

Piraí do Sul R$ 140.481.330,00 

Ponta Grossa R$ 264.141.493,80 

Porto Amazonas R$ 27.209.295,90 

Prudentópolis R$ 119.073.777,60 

Rebouças R$ 93.811.125,00 

Reserva R$ 86.413.320,00 

S.J. do Triunfo R$ 23.698.975,80 

Sengés R$ 53.116.791,30 

Teixeira Soares R$ 147.938.388,75 

Telêmaco Borba R$ 1.846.554,72 

Tibagi R$ 452.430.309,15 

Ventania R$ 76.463.883,30 

Total R$ 2.918.485.930,09

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização