Alerta para ocorrência de oídio nas lavouras de trigo

Agronegócio

03 de julho de 2017 12:04

Mario Martins

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões neste sábado

Frísia, Castrolanda e Capal lançam a Unium

'Unium’ é a nova marca da intercooperação da região

Conab estima queda de 6,2% na safra de grãos 2017/18
Iapar celebra aniversário com parcerias empresariais
Fim da vacinação contra Aftosa no PR impulsionará exportações
Cooperadas Frísia visitam fábrica de máquinas agrícolas
As consequências da falta de umidade nesses estágios, entre outros, é o surgimento do oídio/
PUBLICIDADE

As lavouras de trigo do Paraná, que iniciaram a safra enfrentando excesso de umidade, agora sentem as consequências da estiagem. Em grande parte das áreas tritícolas, a planta encontra-se nos estágios de alongamento e início de espigamento, porém no sudoeste do Estado, onde a semeadura foi realizada após as chuvas, a planta ainda encontra-se na fase de perfilhamento. As consequências da falta de umidade nesses estágios, entre outros, é o surgimento do oídio, doença causada por um fungo (Blumeria graminis f.sp. tritici) que desenvolve um mofo esbranquiçado sobre folhas e colmos.

O fitopatologista da Biotrigo Genética, Paulo Kuhnem, explica que o oídio leva uma vantagem em relação as outras doenças nestas condições climáticas, pois o fungo não precisa de molhamento foliar para causar a infeção e colonização. “Os esporos que chegam com o vento ao atingirem a planta de trigo conseguem germinar, infectar e colonizar o tecido foliar”.

A alternativa para reduzir os impactos da doença na safra é realizar a aplicação de fungicidas. “Na medida que a planta cresce, a cobertura da pulverização se torna mais difícil na região do colmo e na base da planta, locais que podem manter o inóculo do oídio. Desta forma é importante estar atento a intensidade da doença e realizar a aplicação de fungicidas antes do fechamento do dossel para uma adequada eficiência de controle e manutenção do potencial produtivo da cultivar”, finaliza.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização