Produtor de PG conhece tecnologia renovável na Europa

Agronegócio

16 de junho de 2017 14:20

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Produção pecuária será tecnificada para ampliar a rentabilidade

Região produz R$ 11 bilhões em riquezas no campo

PR adota vazio sanitário para evitar ferrugem asiática

Região tem três municípios entre os maiores produtores de trigo do país
Frísia apresenta opções de semente de milho para a safrinha no Tocantins
Censo Agropecuário será lançado nesta segunda em Curitiba
Frísia debate perspectivas para o segundo semestre com cooperados
/
PUBLICIDADE

O presidente do Sindicato Rural de Ponta Grossa e do Núcleo Sindical Rural dos Campos Gerais, Gustavo Ribas Netto, faz viagem técnica promovida pela FAEP para conhecer novas tecnologias sobre energia renovável utilizada na Europa. A viagem é de duas semanas e produtores de diversas cidades do Paraná tem a oportunidade de trocar experiências com produtores europeus, para conhecer como as propriedades rurais do outro continente trabalham para produzir alimentos e transformar resíduos sólidos e líquidos em energia renovável.

Ribas Netto, relata que a primeira visita ocorreu na Alemanha e na Áustria e comprova que existe um potencial enorme para aproveitar o resíduos pra produzir energia. “A Alemanha aproveita os resíduos e também utiliza, o que hoje para nós são insumos, entre eles, milho, trigo, cevada, aveia, para gerar energia. Já na Áustria é um pouco diferente, pois aproveita todos os resíduos para gerar energia”, explica o presidente sindical. Assim, ele explica que o Brasil perde espaço neste segmento, pois possui muito potencial com subprodutos que podem ser utilizados na produção de energia. Ele lembra que é possível produzir energia eólica, biogás, solar, entre outras, mas, infelizmente, o país está engatinhando neste setor

O líder sindical também relata que existe no Brasil, há uma ou outra iniciativa de produtores pioneiros, porém eles sofrem com a falta de políticas justas que propiciem a produção e comercialização deste tipo de energia. Segundo ele, não existe incentivo do governo federal, estadual e intenção para que isso progrida. “Porém, isso é essencial para o desenvolvimento do país. Podemos perceber nesta visita, que os países europeus defendem a soberania, o produtor, a população, para que tenham um processo sustentável e olhando o ponto de vista de todos. Já no Brasil, parece que isso é o contrário, pois percebesse que se preocupam mais com a política externa e no que os outros países pensam, do que com a sua população brasileira”, compara Gustavo Ribas Netto.

O presidente destaca que a Áustria tem uma preocupação muito grande na geração do biogás, pois quer não ficar dependente do gás natural da Rússia e assim fornecer uma energia renovável aos seus moradores. “A Áustria defende assim a sua soberania de uma maneira sustentável com políticas que atendem desde o produtor até quem mora na cidade. Portanto, a lição que aprendemos até o momento é que temos que valorizar o nosso país e lutar por nossa soberania”. Ao analisar este fato, Ribas Netto acredita que é necessário criar políticas públicas para incentivar a produção de energia renovável valorizando o produtor, como acontece na Europa.  E, desta forma, privilegiar não só um segmento mas sim toda a sociedade”, acredita.

Nos próximos dias, eles continuam com a viagem para conhecer outras propriedades de diversos países europeus, e como eles trabalham para gerar alimentos, e, ao mesmo tempo, utilizar recursos renováveis para a produção de energia.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização