Ampliação de zoneamento estimula plantio de cevada nos Campos Gerais | A Rede - Aconteceu. Tá na aRede!
Ampliação de zoneamento estimula plantio de cevada nos Campos Gerais

Agronegócio

13 de abril de 2017 20:30

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Conab estima 44,77 milhões de sacas para safra do café

‘Digital Agro’ começa na quinta em Carambeí

PR lidera produção de proteína animal no País

PR deve alcançar 5,4 mi de hectares plantados com soja
Obama fará palestra em São Paulo no Fórum Cidadão Global
Abates de bovinos e frangos recuam no 2º trimestre
Ministro destaca importância da agropecuária na economia
/
PUBLICIDADE

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) ampliou a área de Zoneamento Agrícola para a cevada na região dos Campos Gerais. A partir de agora, os municípios de Arapoti, Jaguariaíva, Piraí do Sul e Ventania estão incluídos Zoneamento de Risco Climático (ZARC), possibilitando o acesso ao Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e à subvenção federal ao prêmio do seguro rural. Com isso, produtores deste municípios poderão ter mais segurança para cultivar a cevada. A medida foi publicada no Diário Oficial da União nesta semana.

Conforme explica Fábio Schmidt, proprietário da empresa Protecta, que faz o fomento do cultivo de cevada na região, estes municípios já são produtores tradicionais, dificultando o acesso aos créditos e, em especial, ao seguro da lavoura, em caso de intempéries. Com a medida, deverá haver um incremento na produção regional. “Agora, como estão contemplados, deve aumentar a produção. Eu imagino que deve ampliar entre 15% e 20%, especialmente em Ventania e Arapoti”, aponta o profissional.

Dados da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (SEAB) apontam que essas cidades são responsáveis pelo plantio de mais de 1,5 mil hectares de cevada e por uma produção de aproximadamente 4,6 mil toneladas. Tendo em vista isso, em 2015, a FAEP solicitou o estudo de zoneamento agrícola de risco climático para a cultura da cevada nos municípios, e o Mapa solicitou à Embrapa a realização do estudo na região. Agora, eles estão aptos, com os períodos de semeadura entre 21 de maio e 30 de junho.

Essa ampliação também contribuirá para atender à demanda da Cooperativa Agrária Agroindustrial, que possui a maior fábrica de malte do país, localizada em Entre Rios, Distrito de Guarapuava. “Atualmente a produção não é suficiente para atender à capacidade total da indústria, por isso temos procurado trabalhar no fomento da cultura, incentivando os cooperados de outras cooperativas a fornecer cevada para nós. Muitos ainda não plantavam cevada porque não conseguiam crédito para o custeio agrícola e é importante que eles estejam contemplados”, diz Leandro Bren, coordenador de assistência técnica da Agrária e diretor administrativo da Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária (Fapa).


Novas tecnologias favorecem plantio com clima quente

A cevada precisa de um clima mais frio para se desenvolver. Porém, Schmidt relata que a condição climática dos municípios incluídos é propícia para a produção, em função das novas tecnologias. “Antigamente tínhamos outros materiais genéticos. E hoje, com os novos materiais que temos disponibilidade, não tem impedimento algum para o desenvolvimento da cultura nos municípios um pouco mais quentes”, conclui.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização