Conab eleva projeção de crescimento da safra

Agronegócio

11 de abril de 2017 18:00

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Emater e Embrapa avaliam novas variedades de alface

Estiagem deve trazer quebra à produção de trigo na região

Frio traz preocupação sobre lavouras de trigo

Associação Brasileira de Ovinos legitima 1ª Fenovinos PR
Dupla chega atirando e acerta cinco jovens em Curitiba
Fenovinos deve gerar mais de R$ 1,7 mi ao trade turístico de PG
Encontro Mercadológico da Carne busca potencializar produção
/
PUBLICIDADE

A safra 2016/2017 de grãos deve chegar a 227,9 milhões de toneladas, com aumento de 22,1% ou 41,3 milhões de toneladas em relação aos 186,6 milhões da safra passada. A previsão foi divulgada hoje (11) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

De acordo com a Conab, a alta em relação à safra 2015/2016, deve-se ao aumento de área e às boas produtividades médias da safra atual, que não sofre influência das más condições climáticas do ano passado.

"É um dia histórico para a Conab e para a agricultura brasileira", disse o presidente da Conab, Marcelo Bezerra, ao destacar a previsão de aumento de 3% na área total em relação à safra anterior, podendo chegar a 60,1 milhões de hectares.

"São números muito bons, que ainda podem melhorar e têm uma importância muito grande agora", destacou o representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Sávio Pereira, ao citar as discussões em torno do Plano Safra e o apoio ao setor rural.

Para a soja, a expectativa é de crescimento de 15,4% na produção, devendo atingir 110,2 milhões de toneladas, com aumento de 14,7 milhões de toneladas em relação à safra anterior e ampliação de 1,4% na área, que deve chegar a 33,7 milhões de hectares.

No caso do milho, a produção deve alcançar 91,5 milhões de toneladas (37,5% de crescimento), com 29,9 milhões de toneladas para a primeira safra e 61,6 milhões para a segunda. A área total do milho deve alcançar 17,1 milhões de hectares (ampliação de 7,3%). Juntos, o milho e a soja representam quase 90% dos grãos produzidos no país.

O feijão primeira safra deve chegar a uma produção de 1,38 milhão de tonelada, resultado 33,4% superior ao estudo de 2015/2016. O feijão segunda safra deve produzir 1,22 milhão de toneladas, sendo 607,1 mil do grão em cores, 216,1 mil do preto e 393,6 mil do feijão caupi. A produção total pode chegar a 3,29 milhões de toneladas, com área total de 3,1 milhões de hectares.

Já o algodão pluma deve crescer 14,3% e chegar a 1,47 milhão de tonelada, mesmo com uma redução de 2,6% na área cultivada.

 

IBGE prevê safra 25% superior

A estimativa de março para a safra de grãos de 2017 é ainda maior que a de 2016, e a produção total deverá ter expansão de 25,1%. Em fevereiro, os cálculos apontavam para uma produção maior: 2,7% no volume da produção (a maior da história) e 0,6% na área a ser colhida.

Os dados fazem parte do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de março, divulgado hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Rio de Janeiro. A terceira estimativa para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas indica que a produção total este ano será de 230,3 milhões de toneladas, contra as 184 milhões de toneladas produzidas na safra de 2016.

Também houve crescimento de 6,3% na estimativa da área a ser colhida, que deve atingir 60,7 milhões de hectares, contra 57,1 milhões de hectares do ano passado.

O arroz, o milho e a soja continuam sendo os três principais produtos da safra, representando 93,5% do total da produção e 87,7% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve acréscimo de 2,5% na área da soja, de 14,8% na área do milho e de 3,9% na área de arroz. Quanto à produção, houve acréscimos de 15,9% para a soja, 13,9% para o arroz e 45,8% para o milho.

Também nas estimativas de março, Mato Grosso continua como o maior produtor nacional de grãos, com participação de 25,3%, seguido pelo Paraná (18,3%) e Rio Grande do Sul (14,8%). Juntos, os três estados responderão por 58,4% do total nacional previsto.

Outros estados importantes na produção de grãos foram Goiás (9,9%), Mato Grosso do Sul (7,5%), Minas Gerais (5,9%), São Paulo (3,5%), Bahia (3,4%), Santa Catarina (2,9%) e Maranhão (2,1%), que integram também o grupo dos dez maiores produtores do país.

Outra constatação é que o Centro-Oeste continua como a maior região produtora do país, respondendo por 43% do total da produção nacional. Depois, aparecem as regiões Sul (36,1%), Sudeste (9,5%) e Nordeste (9,5).

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização