Cooperativismo discute propostas para o Plano Agrícola e Pecuário

Agronegócio

17 de março de 2017 18:30

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Produção pecuária será tecnificada para ampliar a rentabilidade

Região produz R$ 11 bilhões em riquezas no campo

PR adota vazio sanitário para evitar ferrugem asiática

Região tem três municípios entre os maiores produtores de trigo do país
Frísia apresenta opções de semente de milho para a safrinha no Tocantins
Censo Agropecuário será lançado nesta segunda em Curitiba
Frísia debate perspectivas para o segundo semestre com cooperados
/
PUBLICIDADE

Apresentar as contribuições do movimento cooperativista ao Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2017/2018. Com este objetivo, o Sistema OCB realizou, na quarta-feira (15/03), uma reunião do Grupo Técnico do Crédito Rural que contou com a participação de representantes dos ministérios da Agricultura e Fazenda, Banco Central do Brasil e cooperativas.

O Sistema OCB, que sempre acompanha a elaboração desta e outras políticas públicas, apresentou as propostas de ajustes aos programas dirigidos às cooperativas agropecuárias nas finalidades custeio, comercialização e investimento.

As discussões giraram em torno de temas como os volumes de recursos a serem disponibilizados, as alterações nas taxas de juros e nos limites de diversas rubricas dos programas do BNDES e, também, relativos ao Manual de Crédito Rural (MCR), especificamente em seu capítulo 5 (Crédito a Cooperativas).

Os representantes do governo federal acolheram as propostas de ajustes e se comprometeram a analisá-las, com vistas à possibilidade de sua implementação no Plano Agrícola.

Para o presidente do Sistema OCB, o governo federal, ao recepcionar a contribuição das cooperativas agropecuárias, evidencia seu apreço por um setor tão relevante para a economia do país. “Para além da contribuição ao fortalecimento do agronegócio, as cooperativas, em função de seu modelo de negócio, prestam grande contribuição à promoção da justiça social, por meio da maior distribuição da renda, pela produção econômica coletiva e seu envolvimento com as comunidades onde atuam, geram poupança interna e fomentam as economias locais”, argumenta Márcio Freitas.

Participaram da reunião, Wilson Vaz, diretor da Secretaria de Política Agrícola do Mapa; Ivandré Montiel, Secretário Adjunto de Política Econômica da Fazenda; José Ângelo, chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural do Banco Central do Brasil; Integrantes das equipes técnicas desses órgãos e representantes das seguintes cooperativas e instituições: Aurora, Agrária, Coamo, Cooxupé, Comigo, Cooperalfa, Copérdia, Cocamar e Copacol, Fecoagro/RS, Ocesc, Ocepar.

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização