Cooperativismo paranaense cresce 16,24% em 2016

Agronegócio

15 de março de 2017 18:15

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Produção pecuária será tecnificada para ampliar a rentabilidade

Região produz R$ 11 bilhões em riquezas no campo

PR adota vazio sanitário para evitar ferrugem asiática

Região tem três municípios entre os maiores produtores de trigo do país
Frísia apresenta opções de semente de milho para a safrinha no Tocantins
Censo Agropecuário será lançado nesta segunda em Curitiba
Frísia debate perspectivas para o segundo semestre com cooperados
/
PUBLICIDADE

O último ano foi de desafios para o setor empresarial. Não bastasse a crise econômica, uma das maiores crises políticas da história assolou o país. Na contramão desse cenário, o cooperativismo encontrou espaço para crescer. É o que mostram os dados da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná (SEAB). No ano passado, as 200 cooperativas paranaenses alcançaram faturamento superior a R$ 70 bilhões, valor que representa um aumento de 16,24% em relação a 2015. 

O setor, que responde por 22,7% do Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná e por 56% da produção agropecuária do Estado, exportou no ano passado US$ 2 bilhões, investiu R$ 2,1 bilhões e recolheu R$ 1,88 bilhão em tributos. O cooperativismo paranaense congrega 1,4 milhão de cooperados, 84 mil empregados e gera 2,6 milhões de postos de trabalho, estando presente em 100 dos 399 municípios.

Segundo o economista e chefe do Departamento de Economia Rural da SEAB, Francisco Carlos Simioni, esse trabalho integrado permitiu às empresas cooperadas avançar em eficiência e escala no último ano, apesar dos desafios. “As cooperativas têm forte participação no desenvolvimento econômico e social de suas populações. Nos municípios mais distantes dos grandes centros de desenvolvimento do Estado, a presença do cooperativismo tem peso elevado no orçamento e na renda. Esse é um fator de barganha extremamente importante”, comenta.

Simioni destaca ainda que o setor criou e apresentou propostas de adoção de políticas públicas que nasceram no âmbito local, regional ou estadual, entre elas, as linhas de crédito para investimentos como o Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor e Produção Agropecuária (PRODECOOP) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP). “Além do cooperativismo de produção, as cooperativas de crédito do Paraná são muito fortes e atuantes”, ressalta.

Para fomentar ainda mais a cadeia do cooperativismo, a diretora da Mark Messe, Fernanda Skraba, diz que a empresa vai promover a 1ª edição da FeinaCoop - Feira Nacional de Negócios para Cooperativas, que será realizada de 19 a 21 de setembro, no Expoara, em Arapongas, no Norte do Paraná. No Centro de Eventos, será realizada uma feira com 8 mil m² de área de exposição e aproximadamente 150 expositores, em paralelo à realização de congresso e Dia de Campo. 

“Acreditamos ser fundamental criar um ponto de encontro anual entre fornecedores de bens e serviços relacionados ao cooperativismo. O evento vai propiciar o fortalecimento do setor, apresentar as tendências mercadológicas para que seja possível driblar as dificuldades a ele inerentes e estimular a venda dos produtos gerados pela cadeia do cooperativismo em todos os seus segmentos" argumenta.

A expectativa da Mark Messe é de um público de 6 mil visitantes nos dois dias do evento. Os estandes já estão sendo comercializados e a feira já conta com o apoio do Governo do Paraná, Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Emater, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), Prefeitura de Arapongas, Prefeitura de Londrina, Sindicato Rural de Arapongas, Câmara Brasil-Alemanha, Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Londrina Convention Bureau e Expoara Centro de Eventos.

O economista e chefe do Departamento de Economia Rural da SEAB diz que o objetivo é, até 2020, atingir um faturamento de R$ 100 bilhões por meio do cooperativismo paranaense. “Para isso, é necessário manter o nível de investimento e desenvolvimento focado no desenvolvimento agroindustrial de agregação de valor, dentro das metas planejadas, garantindo renda e emprego. Esses são fatores essenciais para um Estado que tem forte participação no setor rural”, avalia.


Agronegócio no PIB do Paraná

A estimativa da SEAB é de que o agronegócio participe com aproximadamente 33% do PIB do Paraná, ou seja, R$ 120,7 bilhões. No mercado externo, a participação do setor em relação ao total das exportações paranaenses é de 75%. “Continua sendo o setor da economia estadual com maior peso nas exportações”, destaca Simioni.

A soja em grão continua como líder de exportação, ao lado da carne de frango. No ano passado, foram exportados 7,97 milhões de toneladas de soja, volume 2,5% superior a 2015. Apesar disso, a receita foi menor em função da variação do dólar. Em 2016, a receita acumulada com a exportação da commoditie foi de US$ 2,95 bilhões, que corresponde a uma queda de US$ 500 milhões em relação a 2015. 

O Paraná continua a ser o maior produtor e exportador de carne de frango do país. Apesar da ligeira queda no preço do produto no mercado internacional, no ano passado as exportações de frango aumentaram 4% em volume em relação a 2015, mas tiveram queda de 2,12% na receita. Simioni destaca que alguns produtos apresentam crescimento na pauta das exportações. O Paraná foi o 3º estado do país que mais exportou carne suína, com 13% de participação. Outro produto que mostrou expansão foi o açúcar, contabilizando um aumento de 12,3% em volume no ano passado, em relação a 2015 (2,6 milhões de toneladas).

As perspectivas para o agronegócio no Paraná em 2017 são bastante otimistas. “Estamos colhendo 23,2 milhões de toneladas na primeira safra de milho, soja e trigo. Se somarmos a essa produção a segunda safra e mais a dos cereais de inverno, nossas projeções indicam que poderemos obter até 40 milhões de toneladas. Será a maior produção estadual, se consolidada”, prevê Simioni.


PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização