Audiência pública sobre o plantio de soja na Alep

Agronegócio

15 de março de 2017 11:41

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Produção pecuária será tecnificada para ampliar a rentabilidade

Região produz R$ 11 bilhões em riquezas no campo

PR adota vazio sanitário para evitar ferrugem asiática

Região tem três municípios entre os maiores produtores de trigo do país
Frísia apresenta opções de semente de milho para a safrinha no Tocantins
Censo Agropecuário será lançado nesta segunda em Curitiba
Frísia debate perspectivas para o segundo semestre com cooperados
Audiência ocorreu na Alep / Imagem: Assessoria de Imprensa/
PUBLICIDADE

A audiência pública teve participação de produtores rurais, técnicos e pesquisadores

O deputado estadual Marcio Nunes, membro da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), se reuniu com produtores rurais, técnicos, pesquisadores, representantes de instituições públicas e entidades de classe, para debater o calendário de semeadura e colheita da soja no Paraná.

A audiência pública, com o tema “O plantio da Safrinha da Soja”, aconteceu na última terça-feira (14), no Plenarinho da Alep. O prolongamento do prazo para o plantio da cultura possibilitaria aos produtores paranaenses o cultivo da segunda safra de soja, a chamada “soja safrinha”.

O encontro foi solicitação dos produtores para a apresentação aos técnicos do Estado da experiência que adquiriram com a prática do calendário da cultura. “É um tema importante e deve ser debatido para encontrar soluções”, lembrou Nunes.

Em Santa Catarina, a Secretaria de Agricultura autoriza o plantio depois da data.

De acordo com as normativas da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), a soja pode ser plantada no Paraná apenas no período de 16 de setembro a 31 de dezembro. A lavoura precisa estar colhida ou com plantas dessecadas até 15 de maio. Também não é permitido o cultivo de soja por dois períodos consecutivos na mesma área, dentro do mesmo ano agrícola. A medida foi adotada como uma tentativa de quebrar a resistência dos fungicidas à ferrugem asiática. A doença causada pelo ataque de um fungo e transmitida pelo ar é uma das principais ameaças à cultura.

A adoção de datas específicas para o cultivo da soja é uma novidade na safra 2016/2017 e, segundo alguns produtores, inviabiliza o cultivo da segunda safra. “Essa medida está causando muitos danos à agricultura, principalmente no Sudoeste do Paraná. Ela precisa de uma flexibilização com relação às suas datas para que haja uma viabilização das pequenas propriedades, pequenos agricultores e nossos municípios. Hoje, essa medida está restringindo o plantio de uma forma abrupta em 31 de dezembro, e isso está ocasionando vários prejuízos para os nossos agricultores”, afirma Rubens Cheron, engenheiro agrônomo e representante da Comissão de Agricultores, Cooperativas e Revenas de Insumos do Sudoeste do Paraná.

Informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE
COMENTÁRIOS
AVISO: O portal aRede não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização